yes, therapy helps!
Por que pessoas mais inteligentes se envolvem mais em infidelidade?

Por que pessoas mais inteligentes se envolvem mais em infidelidade?

Julho 19, 2024

Inteligência é um dos traços psicológicos mais interessantes que existem Conhecer nossas habilidades cognitivas nos permite conhecer até que ponto somos capazes de nos adaptar a novos desafios, mudar ambientes e, em geral, a situações que exigem certo grau de improvisação.

Mas outro aspecto fascinante da inteligência é que, estatisticamente, muitas vezes ela anda de mãos dadas com muitas outras características pessoais, físicas, sociais e psicológicas. Por exemplo, pessoas com pontuações mais altas em testes de QI tendem a viver mais, ganhar mais dinheiro e ter uma aparência física melhor.

No mundo do amor e da busca por um parceiro, isso também tem implicações curiosas. Por exemplo, foi visto que as pessoas mais inteligentes tendem a ser mais infiéis do que a média, um padrão que é especialmente acentuado no caso das mulheres. Por que isso acontece?


  • Artigo relacionado: "Infidelidade: o segundo problema mais importante nos relacionamentos"

A relação entre inteligência e infidelidade

Alguns anos atrás, o psicólogo Satoshi Kanazawa mostrou que, de acordo com dados do General Social Surveys, pessoas que respondem "sim" à pergunta "Você já teve um caso fora do casal?" em testes de inteligência, incluindo variáveis ​​de controle, como classe social, etnia, nível educacional e, é claro, idade.

Essa diferença foi um pouco maior no caso das mulheres. No caso deles, aqueles que cometeram uma infidelidade superada em 3 pontos de QI, os que cumpriram o compromisso, enquanto no caso dos homens, a diferença foi de dois pontos.


Kanazawa reconhece que não há dados que indiquem claramente por que existe tal relação direta entre a inteligência e a propensão à infidelidade, mas delineia algumas hipóteses que poderiam apontar na direção certa.

  • Artigo relacionado: "Fidelidade: uma palavra antiquada?"

Atratividade, inteligência e gêneros

Em primeiro lugar, o pesquisador destaca um fato que ao longo dos anos tem sido amplamente comprovado: em geral, as pessoas mais inteligentes tendem a ser mais altas e mais atraentes do que as demais.

Isso significa, entre outras coisas, que custa menos para encontrar alguém interessado em ter relacionamentos com eles. O estereótipo de pessoas pouco atraentes que são muito inteligentes "para compensar" não é confirmado pelos dados que a realidade nos dá, pelo menos por enquanto.

Por outro lado, como psicóloga evolutiva, Kanazawa está convencida de que, no que diz respeito ao comportamento sexual, as mulheres têm mais poder, pois são elas que escolhem como e onde os encontros acontecem.


A partir daqui, Kanazawa desenha uma reflexão interessante. Embora pareça contraditório, homens mais inteligentes tendem a valorizar mais a monogamia e a fidelidade, algo que não acontece com representantes com QI mais elevado do sexo oposto. No entanto, como vimos, homens e mulheres com altos escores de inteligência tendem a quebrar esse compromisso de fidelidade. Isso pode ser porque as mulheres com QI mais alto têm mais oportunidades de serem atraentes e de quebrar a exclusividade sexual.

Quanto a este último, o fato de valorizar mais a exclusividade sexual pode explicar por que até os mais espertos (e potencialmente atraentes) tendem a ter menos aventuras. Por outro lado, Kanazawa enfatiza que, uma vez que os homens têm menos espaço para escolha no comportamento sexual, eles não podem ser tão consistentes com seus ideais e valores, sob o pressuposto de que, para seguir estritamente os valores, é necessário ter um controle nessa área da vida; neste caso, o sexual.

  • Você pode estar interessado: "Homens ou mulheres são mais infiéis?"

Uma questão de tentações

Assim, as hipóteses para as quais Kanazawa aponta têm a ver com o grau em que as pessoas mais inteligentes têm que dizer "não" a um maior número de ocasiões para cometer infidelidades. Mulheres com QI mais elevado não valorizam mais a exclusividade sexual do que a média e, portanto, estão um pouco mais expostas à tentação, enquanto nos homens a desejabilidade associada à inteligência é parcialmente amortecida por sua avaliação positiva de monogamia em um sentido "ideal".

Claro, ainda há muitas incógnitas a serem resolvidas. Por exemplo, se esse padrão de comportamento, ou relacionamento entre o QI e a atividade sexual, é encontrado em todas as culturas (provavelmente não).Também é necessário ter mais informações sobre como a atratividade sexual e a propensão à infidelidade estão relacionadas: no momento, apenas dados relacionados ao segundo e ao nível de QI foram cruzados.

É necessário lembrar, finalmente, que estamos falando apenas de números, padrões estatísticos. É claro que cada caso é único e uma pessoa não está predestinada a ser infiel a ser dotada, longe disso. No entanto, em geral, os mais inteligentes, possivelmente, tiveram mais oportunidades de dizer "não" a ofertas que pareciam irresistíveis.


LEANDRO KARNAL - Casamento e Traição (Julho 2024).


Artigos Relacionados