yes, therapy helps!
Mindfulness: desta forma ajuda pacientes com câncer

Mindfulness: desta forma ajuda pacientes com câncer

Janeiro 20, 2022

Antes do diagnóstico do câncer, surgem sentimentos muito diversos, como tristeza, medo, raiva, impotência ou injustiça. Quando a doença é conhecida, a maioria das pessoas é acompanhada por parentes, amigos e parentes próximos, mais cedo ou mais tarde.

No entanto, eles realmente mostram o que sentem quando falam com eles? Eles se deixam invadir pela emoção quando bate em sua porta? A resposta na maioria dos casos é "não".

Embora seja verdade que em algumas pessoas as suas emoções fluam, seja de tristeza, raiva ou injustiça, na maioria dos casos as pessoas fazem esforços inúteis para serem boas para os outros. De fato, em muitas ocasiões eles podem experimentar o que é conhecido como Transtorno de Evitação Experiencial manifestado pela evitação de tudo relacionado à doença. Essa evitação reflete uma falta de aceitação da doença.


Todos esses esforços para deixar de lado o desconforto são em vão, a pessoa acaba se vendo em uma espiral de pensamentos que são evitados com as atividades cotidianas e que, além de promover um humor elevado, aumenta a intensidade do mal-estar. Desta forma, o bem-estar e a qualidade de vida da pessoa são afetados.

O que é Mindfulness e como isso ajuda os pacientes com câncer?

Da psicologia, esses aspectos são trabalhados por meio de diferentes técnicas e terapias. Nos últimos anos, Mindfulness provou ser eficaz no trabalho de algumas questões relevantes durante o câncer:

  • Facilita a modulação da dor
  • Melhora a qualidade do sono
  • Reduz o estresse e a ansiedade
  • Melhore a satisfação pessoal
  • Melhore a qualidade de vida

A atenção plena é uma prática da meditação budista tibetana e, atualmente, é enquadrado na Terapia de Aceitação e Compromisso. Seu objetivo é estar ciente de todas as sensações físicas e psicológicas que o nosso corpo nos envia. No entanto, o propósito da Atenção Plena não é eliminar a dor ou os pensamentos ou emoções que criam desconforto, mas ouvir o que eles têm a dizer sem julgá-los, dando-lhes a atenção de que precisam.


Isso ocorre porque o nosso corpo nos fala constantemente, toda dor, pensamento, emoção ou dor que temos é uma mensagem do nosso corpo. Quando insistimos, dia após dia, em não ouvi-lo, nos persegue quando menos esperamos e com maior intensidade, já que não estamos ouvindo o que ele tem a nos dizer. Mindfulness facilita a aceitação, compreensão e regulação de tais emoções, pensamentos ou sensações físicas.

Pilares básicos desta filosofia terapêutica

Existem vários tipos de Mindfulness e uma multiplicidade de atividades para implementar a consciência plena, mas é preciso levar em conta que o mais importante é a atitude que se toma ao realizar esses exercícios .

Shapiro e Carlson apontaram sete fatores a considerar para a prática:

  • Não julgue : esteja ciente de todas as experiências, internas e externas, sem limitá-las.
  • Seja paciente : esteja aberto para descobrir o que nosso corpo tem para nos mostrar sem ter que pressioná-lo.
  • Ter confiança : confiança na informação que nossos sentidos nos dão sem a intenção de nos ferir.
  • Não lute : não tente evitar emoções, pensamentos ou sensações físicas.
  • Deixar ir : todos os pensamentos e emoções vêm e vão. Às vezes, temos a necessidade de permanecer em um estado de bem-estar. No entanto, Mindfulness pretende prestar atenção a cada momento, estar plenamente consciente do que acontece, bem como as mudanças que ocorrem.
  • Mente do principiante : se quisermos realizar os exercícios de Mindfulness corretamente, devemos nos colocar em uma posição inexperiente, semelhante à de um bebê. Os bebês descobrem seu mundo pouco a pouco, assistem e escutam com atenção, sentem, sugam e até sentem o cheiro. A atenção plena visa colocá-lo em uma posição similar, onde sua inexperiência permite que você perceba cada experiência com todos os sentidos antes de categorizá-la.

Referências bibliográficas:

  • Collete, N. (2011). Arteterapia e Câncer. Psico-oncologia, 8 (1), 81-99.
  • Hart, S. L., Hoyt, M. A., Diefenbach, M., Anderson, D. R., Kilbourn, K.M., Craft, L. L., ... e Stanton, A.L. (2012). Meta-análise de eficácia de intervenções para depressão depressiva 36
  • sintomas em adultos diagnosticados com câncer. Jornal do Instituto Nacional do Câncer, 104 (13), 990-1004.
  • Hopko, D.R., Clark, C. G., Cannity, K. e Bell, J.L. (2015). Gravidade de depressão pré-tratamento em pacientes com câncer de mama e sua relação com a resposta ao tratamento para terapia comportamental. Psicologia da Saúde.35 (1), 10-18.
  • Kabat-Zinn, J. (2003).Intervenções baseadas em mindfulness no contexto: passado, presente e futuro. Psicologia Clínica: Ciência e Prática, 10, 144-156.
  • Shapiro, S. L., Bootzin, R. R., Figuerdo, A. J., Lopez, A. M. e Schwartz, G.E. (2003). A eficácia da redução do estresse baseado em mindfulness no tratamento de distúrbios do sono em mulheres com câncer de mama: um estudo exploratório. Journal of Psychosomatic Research, 54 (1), 85-91.
  • Shapiro, S. L. e Carlson, L. E. (2009). A arte da ciência da atenção plena. Washington D.C: Associação Americana de Psicologia.

The Power of Mindfulness: What You Practice Grows Stronger | Shauna Shapiro | TEDxWashingtonSquare (Janeiro 2022).


Artigos Relacionados