yes, therapy helps!
O que é uma avaliação psicológica?

O que é uma avaliação psicológica?

Setembro 12, 2022

O processo de avaliação psicológica É um dos componentes mais importantes da intervenção no campo da psicologia. É graças a isso que é possível propor medidas efetivas para lidar com problemas específicos do observado.

Neste artigo vamos ver como é definido e o que é uma avaliação psicológica e o diagnóstico que leva .

  • Artigo relacionado: "Tipos de terapias psicológicas"

O nascimento da ideia de avaliação psicológica

O momento histórico em que se deu a maior ascensão e desenvolvimento científico das peculiaridades psicológicas do ser humano corresponde principalmente aos séculos XIX e XX (embora se assuma um volume considerável de estudos e pesquisas anteriores).


Com isso e a partir do desenvolvimento de certas disciplinas do conhecimento, como estatística, pedagogia, psicologia experimental entre outras, foi possível estabelecer algumas primeiras aproximações ao conceito de diagnóstico .

Como na maioria dos aspectos relacionados ao campo da psicologia, a definição desse fenômeno foi reformulada a partir das novas contribuições que os autores vêm propondo ao longo da história.

Dentro das perspectivas mais contemporâneas existem três correntes teóricas que foram usados ​​para explicar que tipo de variáveis ​​devem ser diagnosticadas : o ambientalista (ênfase em fatores situacionais como determinantes comportamentais), o interacionista (relevância da interação entre sujeito e ambiente) e o cognitivista (estilo cognitivo como base comportamental).


O diagnóstico psicológico e seus componentes

As descobertas das três correntes psicológicas mencionadas permitiram uma definição mais profunda e mais completa do que o processo diagnóstico implica. Considerando seu significado geral, o diagnóstico envolve a análise dos dados coletados para avaliar (ou conhecer) certos aspectos de natureza diferente .

Aplicando essa caracterização ao campo da psicologia, o objeto de estudo é a descrição das particularidades cognitivas, emocionais e comportamentais de um sujeito específico. Portanto, parece relevante para este propósito considerar como este indivíduo se relaciona com seus contextos de interação habituais .

Além disso, assume-se que o diagnóstico tem o objetivo final de intervenção (como o objetivo mais frequente, embora não único) e é delimitado em todos os momentos dentro do campo técnico-científico . Seu processo envolve a combinação de diferentes metodologias de trabalho.


Os três elementos do diagnóstico em psicologia

Um diagnóstico Tem três elementos principais: o sujeito sobre o qual se enquadra o processo, o objeto que estabelece quais conteúdos baseiam o diagnóstico e o propósito dos mesmos, o que motiva a aplicação de uma intervenção concreta onde se refletem as causas ou fatores que propiciam as observações expostas no diagnóstico.

Além disso, a intervenção proposta pode ser qualificativo (lugar ocupado pelo sujeito em relação a um grupo de referência), modificador (que causas influentes devem ser modificadas), preventivo (implementação de alternativas para evitar uma certa situação futura) ou reestruturação (reorganização de fatores influentes para fins preventivos).

As fases do processo geral de diagnóstico psicológico

Diversas são as contribuições feitas pelos autores especialistas sobre o número e o tipo de procedimentos que devem conformar o processo de diagnóstico. Parece que, no entanto, Existe um certo consenso em incluir quatro fases principais Cada um deles tem etapas diferentes e mais concretas.

1. Planejamento

Na fase de planejamento, o pesquisa de informação preliminar Em relação ao tema e seu ambiente, uma análise que suporte os pressupostos iniciais (dependendo do caráter classificatório, preventivo ou reestruturante que o diagnóstico apresenta) e, por fim, a configuração do desenvolvimento diagnóstico onde são estabelecidas as variáveis ​​de análise inicialmente propostas.

2. Desenvolvimento

Uma segunda etapa consiste no desenvolvimento do processo, no qual se delimita o referencial teórico sobre o qual basear as contribuições que facilitam o estudo das unidades de análise, sendo o mais simples possível e apresentando uma capacidade preditiva adequado aos resultados das observações futuras.

3. Verificação de hipóteses

Posteriormente, um terceiro passo é o verificação das hipóteses teóricas inicialmente propostas em relação ao que foi encontrado nas observações feitas durante a avaliação.

4. Escrevendo o relatório

Finalmente, um relatório de resultados deve ser preparado em que se incluem os dados pertinentes do avaliador e do avaliado, aqueles referentes a todos os procedimentos aplicados durante o processo, os resultados e sua avaliação e, em última instância, as diretrizes pertinentes que orientarão o processo de intervenção subsequente.

O relatório deve ser adaptado ao destinatário em termos da forma e do tipo de linguagem utilizada, bem como o tom e as expressões usadas nele, para que ele o entenda.

Características do Relatório Psicológico

Um relatório psicológico é um documento que reflete o resultado obtido da análise e contraste de hipóteses levantadas inicialmente, que motivaram a avaliação do assunto em questão.

Este instrumento tem um caráter objetivo, de tal forma que a comunicação dos dados encontrados ao destinatário é facilitada .

Em geral, um relatório deve incluir dados de identificação do avaliador e da pessoa avaliada, os objetivos que motivam o referido relatório, a exposição das técnicas de coleta de informações, o procedimento utilizado, os resultados obtidos, a conclusão e avaliação final do examinador e as diretrizes a serem colocadas em prática como uma intervenção.

Além disso, e O formato eo estilo de um relatório psicológico podem ser diferenciados de acordo com o do critério que se toma como base para sua elaboração: teórico (segundo as diretrizes de um modelo teórico concreto), técnico (organizando os resultados dos testes e técnicas aplicadas) e baseado no problema (a demanda ou razão da marca de consulta uma estrutura específica no relatório).

Por outro lado, o relatório psicológico Tem validade legal e é considerado um documento científico (os resultados são replicáveis) e úteis (inclui orientações finais de intervenção psicológica).

A abordagem comportamental ou funcional na avaliação psicológica

Existem vários tipos de abordagens que podem ser tomadas para orientar o processo de avaliação psicológica de um indivíduo:

  • Abordagem tradicional (ou modelo de atributo): focado na análise de traços de personalidade como unidades fundamentais de estudo.
  • Abordagem operacional ou evolucionista: modelo que defende um conjunto de estágios evolutivos no desenvolvimento psicológico do sujeito.
  • Abordagem cognitiva : focado no estudo das cognições da pessoa como eixo principal.
  • Abordagem psicoeducacional ou prescritiva: mais voltada ao campo da aprendizagem escolar e à análise das habilidades intelectuais dos alunos.
  • Abordagem comportamental ou funcional: orientado para a avaliação da relação entre as variáveis ​​internas e externas do sujeito como determinantes de seu próprio comportamento.

Das correntes psicológicas mais comportamentais (ou cognitivo-comportamentais) a abordagem funcional Geralmente é a abordagem usada durante o processo de diagnóstico de referência . Este modelo permite um estudo mais completo e análise das variáveis ​​determinantes no processo de avaliação, pois defende a premissa de que o comportamento deve ser considerado levando-se em conta uma multiplicidade de fatores influentes, internos e externos.

Assim, o comportamento humano não deve ser entendido como o resultado da soma de fatores individuais , pois cada interação que ocorre entre dois (ou mais) já deriva de um tipo totalmente diferente de influência do agregado de seus originadores originais. Dado seu enorme caráter complexo e plástico (ou modificável), sua explicação deve ser abordada seguindo esta mesma filosofia: considerar seus elementos determinantes também como complexos e variáveis.

As características da abordagem funcional

A abordagem funcional prioriza o ambiental ou contextual (a princípio) e interacionista (posteriormente) como determinantes do comportamento do indivíduo, priorizando a análise desse tipo de variáveis ​​no processo diagnóstico. Seus postulados derivam da Teoria da Modificação do Comportamento e das contribuições de autores como B. F. Skinner, principalmente.

Dentro deste modelo, três perspectivas podem ser distinguidas , que enfatizam diferencialmente a influência do ambiente, as características do sujeito ou a interação de dois fatores: a perspectiva situacional-comportamental, o cognitivo-comportamental e o cognitivo-social comportamental, respectivamente.

Dada a relevância dos fatores observáveis ​​que defendem essa proposta teórica, as variáveis ​​que toma como unidade de análise são aquelas que ocorrem no momento presente, as quais são acompanhadas por um pano de fundo e consequente a seguir.

Em um nível metodológico, suas suposições são avaliadas experimentalmente pela observação objetiva do repertório comportamental do sujeito como reflexo de habilidades e habilidades internas. Corresponde, portanto, a uma metodologia intrasubjetiva dedutiva-indutiva.

Este modelo tem um propósito que é interventivo (ou modificador) e preventivo, pois incorporou a interação entre o sujeito e seu ambiente como objeto de análise variável.Ele compreende, assim, o poder dinâmico dessa relação entre os dois elementos e dá ao comportamento um significado de modificabilidade e adaptabilidade (daí sua capacidade preventiva).

A avaliação psicológica como processo

Como pode ser visto na leitura do texto, o processo de avaliação psicológica torna-se um conjunto de procedimentos rigorosamente estabelecidos fundamentais para permitir um diagnóstico adequado e, posteriormente, uma intervenção psicológica adequada às particularidades de cada indivíduo em particular e aos objetivos terapêuticos que desejam alcançar.

Nesse sentido, a abordagem funcional tem sido exposta como um modelo que possui um suporte teórico significativo, o que permite uma análise completa de todas as variáveis ​​que podem estar afetando o estado atual (sintomas, comportamentos, cognições, etc.). do indivíduo.

Referências bibliográficas:

  • Caballo, V. E. & Simon, M.A. (2001): Manual de Psicologia Clínica Infantil. Madri: pirâmide.
  • Cohen, R. & Swerdlik, M. (2001): testes psicológicos e avaliação. México: McGraw-Hill.
  • Fernández-Ballesteros, R. (2000): Introdução à Avaliação Psicológica. Madri: pirâmide.
  • Forns, M. (1993): Avaliação psicológica infantil. Barcelona: Barcanova.

Entre Nós - Avaliação Psicológica (Setembro 2022).


Artigos Relacionados