yes, therapy helps!
A farsa da Selfitis: tomar selfies não é um transtorno mental

A farsa da Selfitis: tomar selfies não é um transtorno mental

Janeiro 19, 2023

Atenção:

Redes sociais recentemente se espalharam informação falsa : a APA, dizia-se, incluiu um distúrbio chamado "Selfitis", que se referia à obsessão de tirar selfies com o telefone celular. Embora seja verdade que há pessoas obcecadas em querer mostrar uma boa imagem de si mesmas nas redes, a verdade é que Por parte da Associação Americana de Psiquiatria, não houve menção a este alegado transtorno .

Para podermos fazer pedagogia sobre esta questão, compilamos o artigo "hoax" que tem sido objeto de tanta atenção e controvérsia.

Você já pensou com o que sua foto de perfil de FacebookTwitter, Instagram ? Qual é o sentido de fazer upload de todos os auto-retratos diários para suas redes sociais?


De pessoas com uma vida normal a celebridades como Angelina Jolie, Kelly Brooks, Lana del Rey e Kim Kardashian fazem upload de fotos diárias e auto-retratos de suas vidas diárias. Muitos vão pensar que esses auto-retratos não têm significado, mas de acordo com Associação Psiquiátrica Americana (mais conhecido por sua sigla em inglês APA) durante a sua reunião anual, realizada em Chicago em 2014, as pessoas que tomam selfies compulsivamente podem sofrer de um transtorno mental chamado "Selfitis", e de acordo com a APA esse ato compulsivo de tirar auto-retratos é dado por falta de auto-estima e para preencher um vácuo na privacidade.

Pesquisa sobre o Selfitis

Em 2013, Nadav Hochman, Lev Manovich e Jay Chow analisaram dois milhões de fotos da rede social Instagram, que foram coletados em cinco diferentes cidades do mundo. A análise dessas fotos resultou em informações relevantes, como pessoas do sexo feminino dentro do intervalo de 23 a 25 anos de idade são os que tiram o máximo de selfies . Outro fato curioso é que as mulheres da cidade brasileira de São Paulo são as que mais sorriem e giram em média 16,9 graus ao tirar um autorretrato, quando a média de todos os países não ultrapassa os 12 graus. Como podemos ver, foi um estudo de uma exaustividade quase ao ponto do absurdo.


Mas isso não significa que os homens estejam isentos de sofrer desse distúrbio, pois há uma boa porcentagem de homens que, compulsivamente, tiram esse tipo de autorretrato.

Uma investigação de psicólogos produziu outros dados reveladores sobre a autite. Por exemplo, aprendemos que quanto mais selfies uma pessoa leva e dissemina através das redes sociais, mais prejudicada a relação com amigos nas redes sociais tende a ser. Portanto, podemos concluir que as pessoas que acreditam que tirar dezenas e dezenas de selfies e enviá-las para redes sociais alcançarão mais popularidade e amizades, estão erradas .

Como identificar uma pessoa com a autite?

Para diagnosticar uma pessoa com a autite, não é apenas levado em conta que uma pessoa toma uma selfie. O fato de um autorretrato ser retirado de tempos em tempos não é um sinal de patologia. Para que possamos falar sobre a Selfitis, a quantidade de selfies deve ser significativa durante o dia, pNo entanto, a compulsão de compartilhar essas fotos em suas redes sociais também é levada em consideração. .


Uma pessoa com Selfitis pode ter mais de três auto-retratos por dia e compartilhar a mesma foto mais de duas vezes em diferentes redes sociais, como Instagram, Twitter e Facebook. O fato de ele copiar poses de pessoas que tiveram muita repercussão social em suas fotos é também uma identificação do distúrbio, e ele pode experimentar ansiedade e depressão se sua selfie não obtivesse como esperado.

As fases da autite

De acordo com o APAExistem 3 fases ou fases de Selfitis que são as seguintes:

  • Selfitis limítrofe : a pessoa só consegue ter um mínimo de três selfies por dia, mas sem compartilhá-las nas redes sociais.
  • Autite aguda : o sujeito faz auto-retratos pelo menos três vezes ao dia e depois compartilha cada um deles nas redes sociais.
  • Autite crónica : ocorre quando a pessoa sente um impulso incontrolável de tirar selfies durante o dia todo, assim como para compartilhar essas fotos nas redes sociais mais de seis vezes por dia.

Tratamento para obsessão com selfies

No encontro anual da APA concluiu-se que o melhor tratamento possível para a Selfitis passa pela Terapia Comportamental Cognitiva (TCC).

Um problema que deve nos fazer refletir

O problema subjacente que observamos com a obsessão por selfies não é exatamente a febre dos smartphones, mas o cultura da imagem . O que nos revela que um adolescente passa horas tirando fotos e depois mostrando-as nas redes sociais? Em muitos casos, pode indicar baixa auto-estima e a necessidade de se sentir aceito pelos outros.

Nesse sentido, Selfitis é a ponta do iceberg de um problema que não é estritamente psicopatológico, mas está relacionado aos valores que prevalecem em nossa sociedade, uma sociedade em que a estética e as relações pessoais assumem um papel central na autoimagem. do adolescente. Tomar selfies não significa necessariamente que há um problema psicológico por trás mas, em alguns casos, pode ser um sintoma inequívoco de que algo não está certo.


Pro selfista, Casos Completos | Caso Cerrado | Telemundo (Janeiro 2023).


Artigos Relacionados