yes, therapy helps!
Ophidiofobia: sintomas, causas e tratamento

Ophidiofobia: sintomas, causas e tratamento

Fevereiro 3, 2023

Embora seja verdade que as cobras tenham pouca fama entre as pessoas e que as histórias sobre elas tenham ganhado a reputação de animais muito perigosos, a realidade é que raramente a coincidência com uma cobra representa uma ameaça real à vida da cobra. pessoa

Apesar disto, ofidofobia ou fobia de cobra É uma das fobias mais comuns em todo o mundo. Ao longo deste artigo, vamos ver o que é e como se manifesta, assim como suas possíveis causas e tratamentos mais eficazes.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

O que é ofidofobia?

Por ofidiofobia entende-se o distúrbio de ansiedade específico em que a pessoa experimenta um medo exacerbado, irracional e incontrolável em relação às cobras. Embora experimentar um grau de medo na presença de um desses répteis seja bastante natural, na ofidofobia O medo deve ser injustificado e exagerado em comparação com a ameaça real o que a situação supõe


Algumas chaves que nos ajudam a diferenciar entre um medo normal e adaptativo de cobras e uma fobia é o comportamento que apresenta a pessoa em situações em que o animal não é um perigo. Essas situações podem ir desde o medo experimentado até vê-las em um zoológico, até a experimentação de sintomas ansiosos simplesmente por ver uma foto ou uma reprodução de brinquedo.

A fobia de cobras ou ofidofobia é encontrada em outro tipo de fobia mais generalizada: herpetofobia, que está incluída na zoofobia . Herpetofobia refere-se ao medo intenso e exagerado de qualquer tipo de réptil.

Quais sintomas ele apresenta?

Como o restante das fobias ou distúrbios de ansiedade específicos, a offidofobia tem uma série de sintomas típicos desse tipo de distúrbio. A sintomatologia destes pode ser dividida em três grandes grupos: sintomas físicos, sintomas cognitivos e sintomas comportamentais.


Como de costume em todos os tipos de condições, não há padrão comum e rígido de sintomas , mas estes podem variar tanto em sua incidência quanto em seu grau de intensidade. Essas diferenças individuais na manifestação dos sintomas mudam de acordo com a intensidade do medo que a pessoa experimenta.

1. sintomas físicos

Quando uma pessoa com offidofobia está em uma situação na qual a aparência de qualquer tipo de cobra está envolvida, uma hiperatividade do sistema nervoso autônomo será automaticamente acionada.

Essa hiperatividade gera uma reação no organismo que sofre muitas alterações e alterações. Dentro dessas mudanças, encontramos o seguinte.

  • Aceleração da frequência cardíaca .
  • Sensação de vertigem e tontura.
  • Náusea
  • Tremores incontrolável
  • Sentimento de sufocamento.
  • Sudorese aumentada .
  • Sensação de pressão no peito.
  • Confusão
  • Síncope ou desmaio.
  • Alterações gastro-intestinais.

2. Sintomas cognitivos

Para que os sintomas físicos apareçam na presença de uma cobra, a pessoa também deve ter uma série de sintomas cognitivos prévios. Esta sintomatologia cognitiva é dada por uma associação do estímulo fóbico com uma série de idéias irracionais e crenças sobre esses répteis .


Essas crenças distorcidas favorecem o desenvolvimento da fobia, refletindo-se da seguinte maneira.

  • Crenças e pensamentos intrusivos , involuntário e incontrolável em relação às cobras.
  • Imagens mentais desagradáveis ​​e aversivas.
  • Especulações obsessivas associado com cobras.
  • Medo de não conseguir administrar a situação adequadamente e acabar perdendo o controle.
  • Sensação de irrealidade

3. Sintomas comportamentais

Finalmente, como em todas as condições em que o medo e a ansiedade superam o controle da pessoa, a offidofobia também inclui uma série de sintomas comportamentais que aparecem em resposta à observação ou percepção do estímulo aversivo.

Esses atos são realizados com a intenção de evitar diretamente a situação que causa desconforto ou de escapar tão rapidamente quanto o estímulo aversivo aparecer. Esses comportamentos eles são conhecidos como comportamentos de fuga e evitação .

Os comportamentos conhecidos como comportamentos de evitação são realizados com a intenção de evitar o encontro com qualquer tipo de cobra. Neles a pessoa realiza todos os tipos de comportamento para evitar o objeto de estímulo da fobia e assim não experimentam os sentimentos de angústia e ansiedade que isso causa.

Por exemplo, esses comportamentos de evitação podem ser refletidos na constante evitação ou recusa em visitar zoológicos ou qualquer tipo de instalação em que esses répteis possam aparecer; bem como evitar viajar para países exóticos.

Finalmente, os comportamentos de fuga aparecem quando a pessoa não foi capaz de evitar encontrar o estímulo fóbico , e uma vez experimentado o sentimento de desconforto, irá realizar todos os tipos de comportamentos que lhe permitem escapar da situação atual o mais rápido e rapidamente possível.

O que causa essa fobia?

Uma das principais características que caracteriza as fobias é a impossibilidade, na maioria dos casos, de definir a origem específica de uma fobia. No entanto, existem vários fatores que podem facilitar a aparência, o desenvolvimento e a manutenção de uma fobia.

Alguém com um predisposição genética a sofrer mais com os efeitos do estresse , acompanhado pela experiência de uma experiência altamente traumática ou com uma carga emocional muito alta, na qual o estímulo aversivo (neste caso, as cobras) tem um papel relevante, pode ser muito mais vulnerável ao desenvolver uma fobia.

No entanto, no caso das cobras, existem algumas teorias que expõem outros fatores, além da genética e da experiência traumática, que podem justificar o medo intenso que uma pessoa sente por elas.

A primeira teoria aponta para a ideia de que a offidofobia tem uma base evolutiva que não desapareceu em algumas pessoas. Essas hipóteses sustentam que antigamente o perigo que as cobras representavam para a integridade física dos humanos era muito maior, de modo que a sensação de alerta e perigo para esse réptil era muito mais intensa. Esse sentimento teria durado até hoje em algumas dessas pessoas que sofrem de ofidofobia.

Por outro lado, a mitologia que envolve esse animal e o simbolismo que está associado a ele facilitar o desenvolvimento e manutenção desses medos e crenças irracionais e aversivas em relação às cobras.

  • Talvez você esteja interessado: "Escolechiphobia: sintomas, causas e tratamento"

Existe um tratamento?

No caso em que a pessoa sofre uma ofidofobia real, e não um medo normal de cobras, um tratamento adequado pode reduzir, e até mesmo eliminar, a resposta de ansiedade associada ao estímulo aversivo. A alta efetividade das intervenções psicológicas no tratamento de fobias, eles se tornaram o principal método de escolha quando se trata de aliviar os sintomas.

Terapia cognitivo-comportamental na qual, através da reestruturação cognitiva, os pensamentos distorcidos do paciente são modificados, bem como técnicas como dessensibilização sistemática ou exposição ao vivo e treinamento em técnicas de relaxamento, é altamente eficaz e freqüentemente tem resultados muito satisfatórios no paciente.

Artigos Relacionados