yes, therapy helps!
As 18 melhores frases da feminista Judith Butler

As 18 melhores frases da feminista Judith Butler

Outubro 1, 2022

Judith Butler (Cleveland, Estados Unidos, 1961) é uma filósofa americana que dedicou sua vida ao estudo do feminismo.

Entre suas principais contribuições para o campo de estudos de gênero e mulheres, Judith Butler é reconhecida como um dos principais representantes e ideólogos da Teoria Queer.

  • Artigo recomendado: "100 frases feministas de grandes pensadores da História"

Citações famosas e reflexões por Judith Butler

No entanto, Butler também é um autor de prestígio nos campos da sociologia e sexologia. Suas idéias são baseadas em autores do renome de Michel Foucault, Sigmund Freud e Jacques Lacan.


No artigo de hoje Vamos conhecer frases de Judith Butler que nos permitam abordar esse pensador essencial .

1. Afinal, a justificativa para a luta está no campo sensorial, o som e a imagem são usados ​​para nos recrutar para uma realidade e nos fazer participar dela. De certa forma, toda guerra é uma guerra contra os sentidos. Sem a alteração dos sentidos, nenhum Estado poderia fazer guerra.

Sobre a manipulação e o populismo com que o poder seduz a população e apresenta a guerra como algo desejável.

2. A estrutura das crenças é tão forte que permite que alguns tipos de violência sejam justificados ou sequer considerados como violência. Assim, vemos que não se fala de assassinatos, mas de mortes, e que a guerra não é mencionada, mas a luta pela liberdade.

Sobre os diferentes tipos de violência e manipulação da linguagem. Uma frase que nos remete às contribuições de outro brilhante pensador: Noam Chomsky.


3. O trabalho intelectual é uma maneira de se conectar com as pessoas, para fazer parte de uma conversa contínua. Os intelectuais não marcam o caminho nem são essenciais. Eu acredito que a reflexão teórica é parte de toda boa política.

Encorajando o pensamento crítico e acadêmico.

4. O jornalismo é um lugar de luta política ... Inevitavelmente.

Goste ou não, a objetividade jornalística não é viável.

5. Eu também não acredito que a literatura possa nos ensinar a viver, mas as pessoas que têm dúvidas sobre como viver tendem a recorrer à literatura.

Outra daquelas citações famosas sobre livros e literatura.

6. Para mim, filosofia é uma maneira de escrever.

Sua visão da filosofia pode ser paradoxal.

7. Se Lacan reconhece que a homossexualidade da mulher vem de uma heterossexualidade desapontada - como afirma a observação -, não seria igualmente evidente para o observador que a heterossexualidade provém de uma homossexualidade desapontada?

Desmantelando uma das afirmações do psicanalista francês.


8. Eu sempre fui feminista. Isso significa que eu me oponho à discriminação das mulheres, a todas as formas de desigualdade baseadas no gênero, mas também significa que exijo uma política que leve em conta as restrições impostas pelo gênero ao desenvolvimento humano.

Uma maneira de definir a luta pela igualdade de gênero e gênero.

9. A categoria do sexo não é nem invariável nem natural, mas sim um uso particularmente político da categoria da natureza que obedece aos propósitos da sexualidade reprodutiva.

Uma visão heterodoxa sobre a definição do conceito 'sexo'.

10. Sem dúvida, o casamento e as alianças familiares do mesmo sexo devem ser opções disponíveis, mas torná-los um modelo para a legitimidade sexual é precisamente restringir a sociabilidade do corpo de uma maneira aceitável.

Reflexões sobre o contrato social que o casamento significa.

11. As diferenças de posição e desejo marcam os limites da universalidade como uma reflexão ética. A crítica das normas de gênero deve ser colocada no contexto de vidas como são vividas e deve ser guiada pela questão de o que maximiza as possibilidades de uma vida habitável, o que minimiza a possibilidade de uma vida insuportável ou mesmo de morte. social ou literal.

Outros aspectos que normalmente não podemos analisar quando falamos de gênero e relações interpessoais.

12. Os ativistas intersexuais trabalham para corrigir a suposição errônea de que cada corpo abriga uma "verdade inata" sobre o seu sexo que os profissionais médicos podem discernir e trazer à luz por conta própria.

Outra reflexão que nos faz pensar sobre a relação não tão direta entre sexo biológico e sexo psicológico.

13. Às vezes, uma concepção normativa de gênero pode desfazer a própria pessoa ao minar sua capacidade de continuar vivendo uma vida suportável.

Neste momento é quando esta concepção nos oprime e nos reduz como seres humanos.

14. Seja qual for a liberdade pela qual lutamos, deve ser uma liberdade baseada na igualdade.

O feminismo não pode ser concebido sem igualdade de oportunidades e tratamento.

15Como conseqüência, gênero não é cultivar o que o sexo é para a natureza; O gênero é também o meio discursivo / cultural através do qual a natureza sexuada ou um sexo natural é formado e estabelecido como pré-discursivo, antes da cultura, uma superfície politicamente neutra na qual a cultura atua.

Outra frase de Judith Butler em que ela reflete sobre os padrões culturais que devem ser questionados.

16. Para mim, o luto público não se limita à necessidade de pessoalmente lamentar os mortos. Certamente essa necessidade existe. Eu acho que o luto público dá valor às vidas. Permite uma espécie de conscientização crescente da precariedade dessas vidas e da necessidade de protegê-las, e talvez também de compreender que a precariedade é compreendida além das fronteiras.

Sobre o pesar e seu valor em nossa cultura.

17. Existe uma boa maneira de categorizar os corpos? O que as categorias nos dizem? As categorias nos dizem mais sobre a necessidade de categorizar os corpos do que sobre os próprios corpos.

Os rótulos não podem definir corretamente o que constantemente nos transforma e transforma.

18. Os movimentos sociais devem unir as energias criativas e afirmativas das pessoas, não apenas reiterar os danos e produzir uma identidade como sujeitos de dano. Sem dúvida, não nego que existem formas extremas, persistentes e malignas de vitimização, mas adotar essa perspectiva em um movimento social é contraproducente.

Fugir da vitimização e olhar para o futuro, juntando forças: esse é o cenário que Judith Butler aspira.


Cultura e Política com Carla Rodrigues, Karla Bessa e Leandro Colling (Outubro 2022).


Artigos Relacionados