yes, therapy helps!
Medo de mulheres (ginofobia): causas, sintomas e tratamento

Medo de mulheres (ginofobia): causas, sintomas e tratamento

Dezembro 7, 2022

A ginecobia ou medo das mulheres é uma fobia estranha que geralmente ocorre entre os homens (embora também possa afetar as mulheres) e, portanto, é um medo irracional para qualquer pessoa do sexo feminino. Essa patologia, que causa grande desconforto, ansiedade e medo, não deve ser confundida com a misoginia, que é o ódio contra as mulheres.

Neste artigo discutiremos a ginofobia e detalharemos os aspectos mais importantes desse distúrbio fóbico, bem como suas causas, sintomas e tratamento.

Ginephobia: o que é isso?

Fobias são transtornos de ansiedade que são caracterizados porque as pessoas que sofrem deles sentem um grande medo de um estímulo que eles tentam evitar, a fim de reduzir o desconforto. Existem diferentes tipos de fobias, que geralmente são agrupadas em três grupos: fobia social, agorafobia e fobia específica. O medo das mulheres pertence a este último grupo, e pode impedir que a fobia tenha qualquer tipo de relação com as mulheres , mesmo relações íntimas e, portanto, ser incapaz de desenvolver um relacionamento íntimo ou o projeto de formar uma família.


A ginecobia pode causar sérios problemas relacionais que podem afetar diferentes áreas da vida das pessoas, pois a fóbica evitará qualquer lugar onde possam se encontrar no estímulo fóbico, geralmente recrutando em sua própria casa, evitando não ir trabalhar ou transporte público. É um distúrbio grave que deve ser tratado.

Causas deste distúrbio

As causas desse fenômeno podem ser variadas. Às vezes, a baixa auto-estima do sujeito leva ao medo das mulheres, outras vezes pode ser o resultado de más experiências em relacionamentos íntimos com eles ou como resultado de crenças irracionais, como as mulheres querem ferir e são ruim por natureza.


No entanto, na maioria dos casos, as experiências traumáticas do passado estão por trás desse transtorno e, por isso, tendem a se desenvolver por meio de um tipo de aprendizagem associativa chamada condicionamento clássico. Esse tipo de aprendizado é primitivo e, embora a primeira pessoa a investigar tenha sido Ivan Pavlov, o termo tornou-se popular graças a John B. Watson, um dos criadores de uma das tendências mais importantes da psicologia: o behaviorismo.

Watson foi o primeiro a investigar condicionamentos clássicos e fobias em humanos. Uma das características desse tipo de aprendizado é que ele envolve respostas automáticas ou reflexivas, e não comportamentos voluntários, então Watson achou que era possível aprender emoções negativas, como o medo, através desse processo. Para isso, ele fez um dos experimentos mais controversos da história da psicologia, porque causou um filho, chamado Albert, para aprender a ter medo de um rato branco com o qual ele anteriormente gostava de jogar. Watson fez isso; no entanto, este experimento não pôde ser realizado no momento porque é considerado antiético.


Você pode mergulhar no condicionamento clássico e no experimento Watson em nosso artigo: "Condicionamento clássico e seus experimentos mais importantes"

Estamos biologicamente programados para sofrer fobias?

Pesquisadores acreditam que o condicionamento clássico não é a única causa de fobias, uma vez que muitas pessoas aprendem esse tipo de medo pela observação, é o que é conhecido como vigário condicionado que não é o mesmo que aprender por imitação (como explicamos em nosso artigo "Vicar condicionado: como funciona esse tipo de aprendizado?").

Além disso, outros autores acreditam que somos biologicamente predispostos a sofrer de fobias porque o medo é uma emoção negativa que foi muito útil no passado porque permitiu a sobrevivência dos seres humanos. Este tipo de aprendizagem ativa as regiões do cérebro que pertencem ao que é conhecido como o cérebro primitivo, por isso é caracterizado por associações primitivas e não cognitivas. Isso quer dizer que esses medos são difíceis de modificar por argumentos lógicos. Essa ideia vem da teoria da preparação de Martin Seligman.

Sintomas de medo de mulheres

Como outros distúrbios fóbicos específicos, o medo das mulheres apresenta uma sintomatologia semelhante. A única diferença é que o estímulo fóbico que o provoca é diferente. Portanto, ansiedade, desconforto e medo se manifestam na presença desse estímulo, o que leva a pessoa a querer evitá-lo para reduzir os sintomas.

Esses sintomas ocorrem em três níveis: cognitivo, comportamental e físico. Os sintomas cognitivos são medo, angústia, confusão e dificuldades em manter a atenção, assim como o pensamento irracional que a pessoa tem. Evitar é o sintoma comportamental mais característico.Os sintomas físicos incluem: corar. dificuldade em respirar, náusea, hipersudação, tremores, etc.

Tratamento

Fobias causam muito sofrimento; no entanto, eles têm um alto percentual de sucesso quando o tratamento inclui terapia psicológica. Em alguns casos graves, os pacientes recebem tratamento farmacológico, especialmente ansiolíticos, mas a base do tratamento deve incluir psicoterapia para que a melhora seja mantida ao longo do tempo .

Os psicólogos que são especialistas no tratamento de fobias geralmente incluem técnicas de terapia cognitivo-comportamental que provaram ser mais eficazes, concluem estudos científicos. Entre eles, destacam-se técnicas de relaxamento e técnicas de exposição.

Ambas as técnicas são combinadas em um método terapêutico conhecido como dessensibilização sistemática, que consiste em expor o paciente progressivamente ao estímulo fóbico, mas primeiro ele deve ter aprendido as técnicas de relaxamento, porque lhe permitirá enfrentar melhor as situações nas quais ele deve lide com seu medo patológico. Se você quiser saber mais sobre essa técnica, leia nosso artigo "O que é a dessensibilização sistemática e como ela funciona?"

Apesar da eficácia da terapia cognitivo-comportamental no tratamento desses tipos de transtornos, outros métodos também se mostraram úteis. São conhecidas como terapias contextuais ou de terceira geração, dentre as quais a terapia de aceitação e comprometimento ou terapia cognitiva baseada na Mindfulness, que leva em conta como o contexto (e a relação do paciente com ele) influencia no desenvolvimento a patologia, e enfatizar a aceitação da experiência como forma de reduzir os sintomas ansiosos e, assim, diminuir o desconforto.

Diferenças entre ginofobia, misoginia e caligrafia

É importante não confundir ginofobia com caliginofobia , isso se caracteriza porque o homem, geralmente por sua baixa autoestima, se sente intimidado diante da beleza da mulher. Também é importante não confundir a ginofobia com a misoginia, que é um tipo de preconceito em que a pessoa sente ódio em relação às pessoas do sexo feminino.

  • Artigo relacionado: "Estereótipos, preconceito e discriminação: por que devemos evitar preconceitos?"

Genofobia - Cortometraje / Mix films (Dezembro 2022).


Artigos Relacionados