yes, therapy helps!
Conclusões

Conclusões

Junho 25, 2022

Atualmente, quando você quer investigar sobre transtornos mentais em experimentos com animais, os camundongos são geralmente usados ​​geneticamente para produzir esses distúrbios, o que é muito invasivo e, é claro, prejudicial a esses animais.

No entanto, uma descoberta recente relacionada a um peixe curioso abre a porta para a possibilidade de investigar desordens mentais sem alterar os genes das espécies domésticas.

O caso do peixe homem das cavernas sem olhos

Na natureza podemos encontrar seres que fascinam os mais curiosos e se tornam objeto de estudo por pesquisadores que querem desvendar todos os seus segredos. Um caso muito específico é o peixe conhecido como mexicano tetra (Astyanax mexicanus) .


Esta espécie aquática rara tem uma característica especial: existe em duas formas diferentes, uma com os olhos e outra sem elas. A primeira forma vive em rios, enquanto a outra, além de ser albina, vive em áreas aquáticas que estão dentro de certas cavernas e suas células oculares se degradaram ao longo do tempo para viver no escuro, para economizar energia, Assim, seu estudo pode revelar mais dados sobre quais genes participam da formação dos olhos.

E é assim que Masato Yoshizawa (biólogo da Universidade do Havaí) e sua equipe escolheram este animal para realizar testes. O mais surpreendente é que esse animal poderia ter mais segredos, não apenas ser um caso de perda de órgãos, mas também se tornar um bom modelo para o estudo de doenças mentais em humanos, como o autismo ou a esquizofrenia. Vamos ver como isso aconteceu.


O estudo comparativo para entender transtornos mentais

Graças à existência dessas duas populações dentro da mesma espécie, foi possível estudar seu código genético , fazendo cruzamentos entre os dois ao nível do laboratório, uma vez que a reprodução entre ambos é possível. Neste processo, é possível quantificar uma característica e como ela é distribuída em seus descendentes, uma técnica usada por Gregor Mendel, pai da genética, em seu estudo de ervilhas. Para dar um exemplo, graças a isso, sabe-se que uma mutação em um gene conhecido como "cbsa" é responsável por uma população que não desenvolve os olhos.

Durante suas investigações, Yoshikawa e seus colaboradores contemplaram que as duas populações tetra não eram apenas diferenciadas por sua aparência física, mas também que havia uma grande diferença em seu comportamento social. Aqueles que habitam águas superficiais são sociáveis ​​e até possuem uma estrutura social entre eles. Por outro lado, os homens das cavernas são solitários, na verdade, eles rejeitam a empresa. Além disso, eles apresentam sintomas de ansiedade e hiperatividade e nunca dormem.


Com esses dados em mente, em um primeiro experimento, Yoshikawa cruzou as populações novamente para ver até que ponto essa diferença no comportamento social é geneticamente enraizada ou baseada em comportamentos aprendidos em um contexto específico.

Medicando o peixe homem das cavernas

Os resultados de seus ensaios foram apresentados na 23ª Conferência Internacional sobre Biologia Subterrânea, em Fayeteville, Arkansas. Yoshikawa diz que 90% dos 101 genes clássicos que estão relacionados ao risco de desenvolver doença mental em humanos estão presentes no genoma tetra mexicano. Dados que poderiam transformar este animal em um novo modelo para o estudo dessas doenças.

Mas a coisa não termina aqui, porque com outro teste ele tratou peixes solitários com o antidepressivo psicodruto Fluoxetina (também conhecido por sua marca registrada Prozac) em combinação com o antipsicótico Clozapina, fazendo com que os peixes se tornassem sociáveis, diminuindo seus níveis de ansiedade, que eles nadariam menos freqüentemente e que poderiam dormir. Com isso, a equipe de Yoshikawa queria demonstrar que esses peixes reagem de maneira semelhante à de um paciente humano.

Conclusões

A importância que você deseja dar com esse achado é ter um animal que tenha "sintomas" presentes no autismo ou na esquizofrenia, como a ausência de sono, hiperatividade ou ansiedade, e tudo isso naturalmente.

Ainda há muito a ser feito e mais testes a serem feitos, mas no momento as evidências indicam que o peixe tetra mexicano pode se tornar uma nova ferramenta para acompanhar estudos de desordens psíquicas, tanto no nível genético quanto na investigação de novas drogas. Mesmo assim, alguns especialistas enfatizam que há uma limitação nesse modelo, já que é um peixe, já que humanos e peixes são separados por 400 milhões de anos de evolução e os resultados não podem ser extrapolados tão levemente.


Sérgio Lopes - Conclusões ao vivo | Zekap Music (Junho 2022).


Artigos Relacionados