yes, therapy helps!
Nelofobia (medo do vidro): sintomas, causas e tratamento

Nelofobia (medo do vidro): sintomas, causas e tratamento

Novembro 9, 2022

A nelofobia é o medo persistente e intenso do vidro. Pode ser descrito como uma fobia de tipo específica e, como tal, existem muitos elementos que podem causar isso. Existem também diferentes maneiras de reduzir as respostas de ansiedade da pessoa.

Neste artigo vamos ver o que é a nelofobia , de que maneira é chamado, quais são suas causas principais e algumas estratégias para sua avaliação e tratamento.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

Nelofobia: medo do vidro

A nelofobia é o medo persistente e intenso do vidro. Sendo uma fobia, esse medo é apresentado de forma irracional, isto é, não é justificado pelos códigos culturais da pessoa. Outro termo usado para se referir à fobia do vidro são "hieloofobia" ou "hialofobia" e "cristalofobia".


O termo "hialofobia" é um dos sinônimos da nefrofobia mais utilizada. É composto do grego "ýalos", que significa "cristal", e "fobos", que significa "medo" ou "medo". Embora seja um medo generalizado, mas sim manifesta-se antes de um estímulo específico (vidro), isso poderia ser considerado uma fobia de tipo específico.

Como tal, esse medo é considerado uma fobia específica quando a antecipação, evitação ou desconforto relacionado ao estímulo interfere de forma importante na rotina diária da pessoa (seu acadêmico, trabalho, pessoal, etc.), e este não é o caso. Pode explicar outros diagnósticos como Transtorno Obsessivo-Compulsivo, estresse pós-traumático ou fobia social.


Finalmente, a pessoa pode estar ciente de que seu medo é excessivo, embora não necessariamente.

Sintomas

Em geral, os principais sintomas de fobias específicas são aqueles relacionados a uma intensa resposta de ansiedade. Eles são causados ​​pela ativação do sistema nervoso autônomo, uma vez que a pessoa tenha sido exposta ao estímulo e inclua manifestações como sudorese, hiperventilação, aumento da freqüência cardíaca, diminuição da atividade gastrintestinal e, em alguns casos, um ataque de pânico pode ser acionado. Isso é mais comum quando o estímulo que causa a fobia não apresenta oportunidades significativas a serem evitadas.

No mesmo sentido, as fobias específicas causam algumas manifestações do tipo secundário, que são aquelas que não são facilmente observadas, mas podem afetar negativamente a funcionalidade da pessoa. É, por exemplo, Comportamentos defensivos e defensivos constantes .


Da mesma forma, o medo é causado pela percepção da possibilidade de dano, que no caso da nelofobia pode estar sofrendo algum dano causado pelo vidro. No entanto, outro tipo de fobia específica pode ser causado por uma preocupação diferente, relacionada a fazer papel de bobo, perder o controle, experimentar sensações físicas desagradáveis ​​ou sofrer um ataque de pânico.

  • Talvez você esteja interessado: "Tipos de Transtornos de Ansiedade e suas características"

Causas Prováveis

Uma das teorias explicativas mais aceitas sobre o desenvolvimento de fobias é a teoria da preparação, que diz que é suficiente ter tido uma experiência aversiva direta ou indireta com o estímulo para aumentar a probabilidade de que o medo se torne uma fobia. Em outras palavras, uma das causas de fobias específicas é ter tido uma experiência negativa direta com o estímulo ou ter testemunhado essa experiência.

No caso da nelofobia, por exemplo, haveria alguma ferida ou acidente em que o vidro estava envolvido, ou ter visto alguém sofrer.

Na mesma linha, outro elemento que pode aumentar a probabilidade de desenvolver um medo fóbico é a gravidade e frequência de experiências negativas, ou seja, quanto dano real causou a exposição ao estímulo e quantas vezes isso aconteceu. Então, é mais provável desenvolver medo de estímulos que representem uma ameaça significativa para integridade física e estabilidade biológica.

No entanto, alguns estudos relataram que esse critério nem sempre é atendido. Há temores que não correspondem ao histórico de experiências negativas diretas e indiretas, por isso é importante ter uma avaliação aprofundada do modo como a informação ameaçadora foi transmitida, adquirida e consolidada.

Avaliação

A avaliação clínica deve começar por explorar quais são as situações temidas e evitadas, bem como os comportamentos que estão gerando problemas em termos de funcionalidade.Por exemplo, as expectativas de perigo (o nível cognitivo), os comportamentos evitativos ou defensivos (a dimensão motora), o grau de resposta à ansiedade (dimensão fisiológica) e a experiência do medo (o nível emocional).

Posteriormente, é importante detectar quais elementos do problema estão se tornando piores ou reduzindo, especialmente em relação ao estímulo. Isso se refere, por exemplo, a avaliar a frequência de exposição ao estímulo e o grau de perigo que representa, bem como as alternativas de fuga relacionadas. No caso desta fobia, seria uma questão de determinar o nível de exposição da pessoa aos ambientes com vidro, quão arriscados eles podem ser e quais alternativas de redução de risco existem.

Também é importante conhecer a história de vida da pessoa e as associações feitas com relação ao estímulo que ele percebe como nocivo. A partir daí, detecte os recursos e as estratégias de enfrentamento para determinar quais fatores precisam ser reforçados, diminuídos ou acompanhados.

Tratamento

No tratamento, a teoria da explicação não associativa, que diz que as fobias podem ser geradas sem a necessidade de aprendizagem associativa, postulou que a resposta ao medo pode diminuir quando a pessoa é exposta de maneira negativa e repetida aos estímulos temidos .

No mesmo sentido, algumas das técnicas mais utilizadas são técnicas de relaxamento, dessensibilização sistemática, técnicas de imaginação, exposição através da realidade virtual, o modelo de exposição vicária, entre muitos outros.

A eficácia de cada um depende em grande parte da intensidade da resposta de ansiedade bem como a história pessoal e o grau de risco representado pelo estímulo fóbico.

Referências bibliográficas:

  • Bados, A. (2005). Fobias Específicas Factultat de Psicologia. Departament de Personalitat, Avaluació i Tractament Psicològics. Universidade de Barcelona. Retirado em 24 de setembro de 2018. Disponível em //diposit.ub.edu/dspace/bitstream/2445/360/1/113.pdf.
  • Hyelophobia (2017). Common-phobias.com. Retirado 24 de setembro de 2018. Disponível em //common-phobias.com/Hyelo/phobia.htm.
  • Nelofobia (S / A). Wiki de fobia. Retirado 24 de setembro de 2018. Disponível em //phobia.wikia.com/wiki/Nelophobia.

TEM CORAGEM DE VER ESSE VÍDEO??? (Novembro 2022).


Artigos Relacionados