yes, therapy helps!
Astrofobia (medo das estrelas): sintomas, causas e tratamento

Astrofobia (medo das estrelas): sintomas, causas e tratamento

Junho 15, 2024

A imensidão do universo, espaço ou cosmos, assim como o grande número de estrelas e corpos celestes que o habitam, pode ser tão fascinante quanto intimidador para as pessoas que o observam. No entanto, se esse sentimento se tornar um medo exacerbado em relação a eles, é muito possível que estejamos diante de um caso de astrofobia .

Ao longo deste artigo, discutiremos esse tipo de fobia específica. Analisaremos as características que o distinguem de um medo normal e descreveremos seus principais sintomas, causas e tratamentos.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

O que é astrofobia?

A astrofobia é uma alteração psicológica que faz parte dos transtornos de ansiedade . Baseado em seu próprio nome, é fácil deduzir que é um medo excessivo, irracional e incontrolável das estrelas ou corpos celestes encontrados no cosmos ou no universo.


Se levarmos em conta as raízes etimológicas da palavra, "astro" é um termo que vem do latim e que se refere a todos os tipos de corpos celestes localizados no espaço exterior e que, além disso, são visíveis da terra; enquanto o conceito "fobia" encontra sua origem na palavra grega "phobos", que significa fuga ou medo.

Como mencionado no início do artigo, a astrofobia é considerada um transtorno de ansiedade em que a pessoa experimentar um medo excessivo e irracional das estrelas , e em que ele experimenta uma ansiedade muito alta cada vez que a pessoa afetada observa as estrelas

Embora a astrofobia seja um tipo de fobia com muito pouca incidência na população, isso pode se tornar um transtorno altamente incapacitante , em que o paciente é susceptível de ir ao extremo de ser mantido em casa, de modo a não correr o risco de avistar o céu.


Portanto, esta doença mental pode modificar e limitar o comportamento da pessoa, reduzindo sua qualidade de vida. Felizmente, existem tratamentos muito eficazes para este tipo de fobias específicas graças às quais a pessoa é capaz de superar isso e levar uma vida normal.

  • Talvez você esteja interessado: "Tipos de Transtornos de Ansiedade e suas características"

Características clínicas do distúrbio

Como o resto das fobias ou transtornos de ansiedade, a astrofobia tem uma série de características clínicas que distingui-lo das sensações habituais ou não-patológicas de medo ou medo .

Portanto, a fim de diferenciar a astrofobia de um medo não patológico, ela deve preencher as seguintes características:

  • Medo excessivo e desproporcional tendo em conta o perigo real da situação ou estímulo fóbico.
  • Medo irracional , dado que a pessoa é incapaz de oferecer uma explicação lógica para isso.
  • Incapacidade de controlar as emoções do medo e da angústia.
  • Geração de comportamentos evitativos da situação.
  • O medo aparece constantemente e permanentemente através das diferentes situações temidas.

Quais são os sintomas?

Os principais sintomas da astrofobia são aqueles relacionados à experimentação de grande ansiedade. Esse quadro clínico não se manifesta continuamente ao longo do tempo, mas apenas nos casos em que a pessoa enfrenta ou antecipa o que enfrentará com o estímulo fóbico; neste caso, as estrelas e corpos celestes .


Esses sintomas podem ser classificados em três grupos, de acordo com os sintomas físicos, cognitivos ou comportamentais.

1. sintomas físicos

Antes do aparecimento da situação objeto da fobia, o sistema nervoso central experimenta um aumento excessivo em sua atividade , gerando um grande número de alterações e alterações em um nível fisiológico e orgânico.

Esta sintomatologia física inclui:

  • Aumento na taxa cardíaca .
  • Aumento da respiração
  • Palpitações .
  • Sentimento de sufocamento.
  • Tensão muscular
  • Aumento dos níveis de suor.
  • Dor de cabeça .
  • Alterações gástricas.
  • Tontura .
  • Náusea e / ou vômito
  • Desmaios e perda de consciência.

2. Sintomas cognitivos

O aparecimento da sintomatologia física está sujeito a uma série de crenças e idéias incoerentes ou extravagantes sobre a situação ou o estímulo fóbico e sua suposta periculosidade. Essas idéias compõem os sintomas cognitivos e geralmente aparecem com antecedência gerando sintomas de ansiedade.

Entre os sintomas cognitivos da astrofobia estão:

  • Pensamentos distorcidos sobre estrelas e corpos celestes.
  • Idéias de natureza intrusiva e incontrolável que inundam a mente do paciente.
  • Especulações obsessivas sobre os possíveis perigos das estrelas.
  • Imaginação catastrófica em relação ao objeto temido.
  • Medo de perder o controle e não ser capaz de administrar favoravelmente a situação.

3. sintomas físicos

A principal conseqüência para os sintomas de ansiedade, mencionada anteriormente, é a realização de uma série de comportamentos ou padrões de comportamento que surgem em resposta ao estímulo temido.

Estes sintomas físicos aparecem com o propósito de evitar as circunstâncias temidas ou de fugir deles, caso não possam ser evitados. Desta forma, a pessoa com astrofobia Tente evitar experimentar emoções desagradáveis como ansiedade e angústia.

Esses padrões de comportamento são conhecidos como comportamentos de evitação e comportamentos de fuga. Nos comportamentos de evitação, a pessoa realiza uma série de atos com a intenção de eliminar a possibilidade de enfrentá-los.

Por outro lado, comportamentos de fuga aparecem quando a pessoa que sofre de astrofobia é inevitavelmente confrontada com a temida situação ou estímulo. Em toda a situação, a pessoa executará todos os tipos de atos ou comportamentos que lhe permitem escapar É da maneira mais rápida possível.

Quais as causas que isso tem?

Embora, no momento, não tenham sido estabelecidas causas completamente confiáveis ​​para explicar as fobias. Os pesquisadores apontam para a possibilidade de que a experimentação com eventos ou experiências altamente traumáticos ou com um grande fardo emocional, juntamente com uma predisposição genética para os efeitos nocivos do estresse, estabelecem uma base para o aparecimento de um distúrbio de ansiedade específico, como a astrofobia.

Além disso, há outros fatores, como personalidade, estilos cognitivos ou aprendizado vicário, que podem favorecer o surgimento e o desenvolvimento de um medo irracional e incontrolável, como o das fobias.

Tratamento desta fobia

Apesar da baixa incidência de astrofobia, existem tratamentos muito eficazes e intervenções comuns ao resto das fobias específicas, graças às quais a pessoa pode superar seu medo e continuar com sua vida de uma maneira normal .

No caso de transtornos de ansiedade específicos, como fobias, O tipo de intervenção mais eficaz é a terapia cognitivo-comportamental , onde através da dessensibilização sistemática (DS) a pessoa pode se acostumar a enfrentar o objeto de seu medo.

Nessa dessensibilização sistemática, o paciente é exposto de maneira imaginária a uma série de situações relacionadas à fobia, que são organizadas gradualmente, de um grau de medo maior ou menor. Além disso, técnicas de relaxamento são aplicadas para reduzir o nível de ansiedade.

Outra técnica amplamente utilizada é a da exposição ao vivo , através do qual a pessoa é exposta direta e gradualmente à situação temida. No entanto, essas técnicas devem sempre ser realizadas sob a supervisão e orientação de um profissional de saúde mental.


raios visto do espaço (Junho 2024).


Artigos Relacionados