yes, therapy helps!
Andrés Quinteros:

Andrés Quinteros: "O estresse também é adaptativo e necessário"

Dezembro 7, 2022

Todos, em algum momento de nossas vidas, sentimos ansiedade . Por exemplo, antes de fazer um exame em que jogamos muito ou quando tivemos que tomar uma decisão importante. Essa reação psicológica é, em muitos casos, algo normal, que aparece em situações de estresse ou incerteza.

  • Artigo relacionado: "Tipos de estresse e seus gatilhos"

Entrevista com Andrés Quinteros

Hoje em dia, os transtornos de ansiedade são falados com certa frequência. Mas o que diferencia normal de ansiedade patológica? No artigo de hoje, entrevistamos Andrés Quinteros, fundador e diretor do Centro de Psicologia Cepsim, em Madri, para nos ajudar a entender o que são os transtornos de ansiedade e o que podemos fazer para evitá-los.


Jonathan García-Allen: Bom dia, Andrés. Ansiedade e estresse são frequentemente vistos como estados semelhantes que às vezes são confusos. Mas o que é ansiedade? A ansiedade é o mesmo que o estresse?

Andrés Quinteros: Bem, para responder a essas perguntas, começarei descrevendo brevemente o que é a ansiedade e o que é o estresse.

A ansiedade é um estado emocional normal que desempenha um papel muito importante, pois nos adverte que pode haver um perigo ou ameaça e funciona como um sistema interno de alarme. Portanto, é útil e adaptável. Eu enfatizo isso porque às vezes você tem a percepção de que a ansiedade é em si algo negativo. Isso só acontece quando é inadequado, ou seja, o alarme dispara quando não há perigo, ou quando é excessivo, intenso demais ou quando é prolongado demais no tempo.


O estresse pode ser definido como um processo psicofisiológico que começa a se manifestar quando começamos a perceber que uma situação nova ou desafiadora pode nos dominar ou que acreditamos ser difícil de resolver, por isso nos ativamos para buscar uma resposta a essa situação. A nova situação pode ser algo positivo, como a preparação de um casamento, pode ser um desafio, um novo projeto de trabalho ou pode ser algo inesperado, como enfrentar o processo de uma doença.

Com qualquer uma dessas situações, nosso estresse será ativado, tensionando nosso corpo ao máximo para otimizar seu desempenho e se preparar para o que está por vir.

Por essa razão, o estresse também é adaptativo e necessário, pois nos permite agir para responder a problemas e situações típicas da vida. Torna-se negativo, quando essa tensão ao máximo não cessa e continua indefinidamente no tempo produzindo todo o desgaste e os próprios desconfortos, como distúrbios do sono, irritabilidade e baixa tolerância à frustração.


Entretanto, às vezes pode ser difícil diferenciar a ansiedade do estresse, já que a ansiedade pode ser um sintoma de estresse, ou seja, diante de uma situação estressante, pode surgir ansiedade, assim como outras emoções, como frustração, tristeza, zangado

Outra diferença é que, no estresse, o objeto estressor está no presente, desencadeado por um estímulo que aparece: uma tarefa que eu tenho que fazer ou um problema que tenho que resolver. Enquanto a ansiedade pode surgir antecipando um evento que pode acontecer no futuro, neste caso, é ansiedade antecipatória ou mesmo sentir a ansiedade sem saber muito bem porque é, sem ser capaz de identificar algo externo que a desencadeie.

Nesse sentido, o estresse tem a ver com as demandas que o ambiente nos apresenta, enquanto a ansiedade pode vir de algo mais interno, pode ser antecipatório como já indiquei e se surge a partir das demandas do meio, sendo então um sintoma da demanda. estresse Seguindo esta linha podemos dizer que o estresse é causado por fatores externos que demandam algo, enquanto a ansiedade pode ser causada por isso, mas também e principalmente por fatores internos - psicológicos e emocionais - que podem antecipar uma ameaça e podem até aparecer sem causa aparente ameaça específica ou real.

J.G.A: A ansiedade é um distúrbio? Quando passa de um problema menor para a geração de um problema real que afeta a normalidade na vida de uma pessoa?

A.Q: Ansiedade como um estado emocional não é um distúrbio, eu acho que é importante diferenciá-los, todas as emoções são úteis e necessárias. Não gosto de diferenciar entre emoções positivas e negativas, mas entre aquelas que produzem sentimentos de bem-estar ou desconforto, prazer ou desprazer. Todas as emoções sentidas corretamente são positivas e todas podem se tornar negativas.

É inevitável em certas situações sentir medo, ansiedade, pesar e muitas vezes e, ao contrário, sentir alegria ou prazer em algumas situações é negativo.Por exemplo, para uma pessoa viciada no jogo por exemplo, no momento de estar na sala de jogo, eles expressam estar bem, com sensações que eles identificam como agradáveis ​​e se eles ganham essas sensações agradáveis ​​eles aumentam. Para voltar a sentir o mesmo caminho, tente repeti-lo, toque novamente. Nesse sentido, essas emoções que produzem bem-estar são disfuncionais nessa situação, porque são um suporte para o comportamento aditivo.

Agora, como toda emoção, torna-se um problema quando sua intensidade é muito alta ou quando aparece em certas situações gerando um alarme desnecessário, alterando sem razão. Por exemplo, como indiquei anteriormente, podemos sentir ansiedade, embora nada que aconteça em nossa vida explique ou justifique isso. Há até pessoas que afirmam estar bem com suas vidas, mas que não sabem por que a ansiedade não as deixa em paz. Nestas duas situações, a ansiedade se torna um problema. É também quando pequenas coisas que podem causar ansiedade baixa, isso é desproporcional e transborda.

  • Artigo relacionado: "Nervos e estresse: o que é ansiedade?"

J.G.A: Os transtornos de ansiedade são a doença mental mais comentada, mesmo à frente da depressão. São distúrbios que apenas países desenvolvidos aparecem?

AQ: Se sim, falamos muito, porque isso acontece com frequência, junto com a depressão são os problemas para que as pessoas nos consultem mais e também há um conhecimento muito generalizado de seus sintomas, então as pessoas identificam agora mais se ele está ansioso ou deprimido e aparece no consultório da seguinte forma: "Estou chegando porque estou ansioso".

Estudos indicam que na década passada e na década atual, o consumo de ansiolíticos cresceu quase 60%, em 2016, os dados foram indicados que a Espanha era líder no consumo de certos ansiolíticos. Portanto, muito é dito sobre isso. Eu também acredito que a sociedade atual e suas demandas culturais, materiais e sociais provocam um aumento na ansiedade e no estresse.

Com relação à segunda questão, posso indicar que os problemas de ansiedade não ocorrem apenas nos países desenvolvidos. Eu vivi e trabalhei como psicóloga em 4 países e em todos eles, transtornos de ansiedade estavam presentes, mesmo que as situações da vida das pessoas mudassem. Mas o que eu ousaria dizer é que, atualmente e especialmente nos países desenvolvidos, há uma tendência hedonista muito forte, que leva a negar as emoções que produzem desprazer e querer se livrar rapidamente delas.

A grande demanda é que sempre tenhamos que nos sentir bem e que isso, paradoxalmente, exerça uma pressão que gera estresse e ansiedade. Isso provoca, e eu vejo muito em consulta, o que eu chamaria de uma espécie de fobia de emoções negativas, como se fosse proibido se sentir mal e como indiquei antes, todas as emoções são úteis e não podemos fazer sem medo, ansiedade, raiva, frustração, etc. E já sabemos que quando tentamos negar uma emoção, ela se fortalece e a ansiedade não é exceção.

Se nos recusamos a senti-lo, a ansiedade é desencadeada, acho que temos que nos reeducar sobre a importância de sermos capazes de lidar melhor com essas emoções, uma vez que elas às vezes constituem sinais do que não é certo para nós. Ao tentar removê-los sem mais delongas, perdemos uma espécie de bússola que serve para nos guiar.

J.G.A: Transtornos de ansiedade é um termo geral que abrange diferentes patologias. Quais tipos existem?

A.Q: Sim As patologias da ansiedade são variadas, temos ataques de pânico, ansiedade generalizada, fobias também estão incluídas, como agorafobia, fobia social ou fobias simples, bem como transtorno obsessivo-compulsivo e estresse pós-traumático.

J.G.A: Quais são os principais sintomas de um ataque de pânico e como podemos saber se estamos sofrendo? Por outro lado, que tipo de situações podem causar isso?

A.Q: Um ataque de pânico, é uma resposta de ansiedade muito intensa e transbordante, em que a pessoa tem a sensação de perder o controle total da situação.

Uma de suas principais características é a sensação de terror que a pessoa sente porque pensa que vai morrer ou porque tem a idéia de sofrer uma catástrofe, que vai morrer ou ficar louco. Essa sensação é acompanhada por outros sintomas físicos, como tremores e sentimentos de sufocação ou sufocação, tontura, náusea, palpitações, sudorese, agitação e também dor no peito, o que faz com que as pessoas pensem que podem estar sofrendo de um ataque cardíaco. Estes seriam seus principais sintomas.

Nós não podemos dizer que uma situação ou outra pode causar um ataque de pânico, eu acho que é uma combinação de dois fatores, por um lado, os processos internos em que incluímos a configuração da personalidade que, em alguns casos, pode ser propensa a ansiedade , o locus do controle interno das emoções, o estilo de apego, etc. e, por outro lado, a situação externa pela qual a pessoa está passando.

Se levarmos em conta apenas o externo, não podemos responder à pergunta de por que, na mesma situação, as pessoas podem reagir de maneiras muito diferentes.Isto é devido às suas características pessoais.

O que poderia marcar é que há mais predisposição para sofrer ataques de pânico, quando a pessoa está propensa à ansiedade e não procura ajuda para resolvê-la. Outro ponto importante para entender este problema é que depois de um ataque de pânico, a pessoa muitas vezes tem muito medo de que outro ataque ocorra novamente e isso geralmente é a causa do segundo e subseqüentes ataques de pânico: o medo do medo.

Imagem para a ocasião.

J.G.A: Os casos de transtornos de ansiedade estão aumentando devido à crise e à situação socioeconômica que estamos vivenciando?

A.Q: Sim, claro e não só de ansiedade, mas de muitos mais problemas psicológicos como depressão, as dificuldades para enfrentar as mudanças, a superação das situações de perda de trabalho, de status, de condição social. Situações de crise, causam incerteza, os sentimentos de perigo e medo aumentam e são um terreno fértil para aumentar a ansiedade, o desespero e sobrecarregar por não serem capazes de resolver.

J.G.A: O que causa transtornos de ansiedade?

A.Q: É uma questão difícil de responder hoje e dependerá de qual teoria psicológica estamos inseridos, existem correntes de pensamentos que apontam para causas orgânicas e outras que indicam sua causa nos problemas de apego, no vínculo e nas experiências de desenvolvimento. Eu pessoalmente acredito que, embora tenhamos uma base biológica que nos determine, a relação de apego, o vínculo afetivo e as experiências que vivemos em nosso desenvolvimento nos marcarão como mais vulneráveis ​​ou mais resistentes diante da ansiedade.

** J.G.A: O que devemos fazer diante de uma crise de ansiedade? **

A.Q: A parte psicoeducacional nos tratamentos de ansiedade e ataques de pânico é muito importante, pois ajudará a prevenir e / ou minimizar a magnitude do ataque. Primeiro, é importante fazer com que a pessoa perca o medo de se sentir ansiosa, de não morrer ou de sofrer um ataque cardíaco. É apenas a ansiedade que a sua mente cria e que é a sua própria mente que pode regulá-la, isso a princípio surpreende a pessoa, mas é um pensamento que ajuda nos momentos em que a ansiedade aumenta.

Também é importante indicar que a ansiedade não é um inimigo, é realmente uma emoção que nos adverte que algo não está indo bem e que talvez haja uma situação que você tem que superar, aceitar ou deixar para trás.

Além do exposto acima, é importante ensinar alguns reguladores corporais da ansiedade, como o controle da respiração, a atenção plena é agora amplamente utilizada e também é útil ensinar-lhes técnicas de controle do pensamento. É claro que também, se necessário, ter a possibilidade de ir à medicação para ansiedade, mas sempre controlada por um psiquiatra especialista. E, claro, se você quiser regular adequadamente a ansiedade, um tratamento psicológico é o mais adequado.

J.G.A: Qual tratamento existe para transtornos de ansiedade? É bom usar apenas drogas?

AQ: Bem, existem muitos procedimentos que são bons e efetivos, posso dizer como eu trabalho, acho que tem sido mais efetivo realizar um tratamento integrativo, pois acredito que cada pessoa tem suas particularidades, então cada tratamento tem que ser específico . Mesmo que 3 pessoas com o mesmo problema consultem, por exemplo ataques de pânico, eu certamente realizarei 3 tratamentos diferentes, já que a personalidade, a história, os modos de enfrentamento de cada um são diferentes.

Portanto, com alguns eu aplicarei por exemplo EMDR, terapia sensório-motora, Gestalt, hipnose, cognitiva, família interna, etc. ou uma combinação deles. O que é feito nas sessões dependerá de cada caso. Eu acho que isso pode ser mais efetivo.

Bem, agora com a questão de saber se é bom usar apenas medicação, como eu disse antes, depende de cada caso. Acredito que em um grupo de pessoas, por exemplo, a terapia sem medicação funciona muito bem e há casos em que é necessário fazer um trabalho combinado com drogas psicotrópicas. Também dependerá do problema que falamos, transtorno obsessivo-compulsivo não é o mesmo que fobia, no primeiro caso é provável que você precise de uma combinação de terapia e medicação, no segundo caso é provável que a terapia sozinha seja resolvida.

J.G.A: A ansiedade patológica realmente cura ou é um problema que acompanha toda a vida do sofredor?

A.Q: Bem, acho que na psicologia não podemos falar que vamos curar tudo para sempre, na nossa profissão usamos mais depende. Mais uma vez devo dizer que depende, por exemplo, da desordem sofrida; fobias, ataques de pânico, ansiedade generalizada, costumam ter bom prognóstico e, em transtornos obsessivos, os tratamentos são mais longos e complexos.

Se dissermos que a ansiedade e o estresse são mecanismos adaptativos, eles não desaparecerão, se tornarão mais funcionais e será possível regulá-los melhor. O que eu ousaria dizer é que uma boa psicoterapia os ajudará a serem melhores, sendo capazes de fazer com que o distúrbio desapareça ou diminua os efeitos que produz e que a pessoa tenha uma melhor qualidade de vida.

J.G.A: Os transtornos de ansiedade podem ser evitados? O que podemos fazer para impedi-los?

A.Q: Como em tudo, você sempre pode fazer muitas coisas para evitar e prevenir o desconforto psicológico, começando, como psicólogo, eu recomendo uma psicoterapia que ajude a fortalecer nossa personalidade e auto-estima, que é a melhor defesa contra esses problemas. Sempre pense em ir ao psicólogo quando já existe um distúrbio, recomendo-o como higiene mental, você também tem que ir, crescer e desenvolver recursos pessoais.

Então, há muitas outras coisas que ajudarão a prevenir a ansiedade, deixaria um pequeno catálogo:

  • Aprender a nos familiarizar e ouvir nossas emoções, porque algo está nos dizendo, neste caso, a ansiedade nos diz que algo não está certo, se aprendermos a ouvi-lo, podemos resolver o que o causa e, assim, melhorar nossa vida.
  • Compartilhe o tempo com pessoas que nos enriquecem internamente
  • Aproveite o nosso tempo livre, fazendo coisas agradáveis
  • Desenvolver atividades esportivas, uma vez que não só é bom para o corpo, mas também, o exercício é um bom regulador emocional
  • Uma dieta saudável também é importante
  • Acumule experiências positivas. É importante também entender que nos sentiremos melhor se acumularmos experiências positivas em vez de objetos. O bem-estar de ter algo é momentâneo e menos duradouro do que ter vivido uma boa experiência que durará em nossa memória.

É claro que há muito mais coisas que ajudam, mas eu deixaria essas 6 importantes.


Testimonios de Fe - William - 05/01/2017 (Dezembro 2022).


Artigos Relacionados