yes, therapy helps!
Entrevista com Bernardo Stamateas, autor de

Entrevista com Bernardo Stamateas, autor de "Gente Toxic"

Outubro 1, 2022

O argentino Bernardo Stamateas é um dos psicólogos com maior repercussão e popularidade. E não é por menos, já que suas obras sempre estiveram entre os livros mais vendidos. Além disso, ele se destaca por sua faceta de palestrante, onde ele geralmente fala sobre relacionamentos humanos, liderança e melhoria pessoal.

De ascendência grega, Stamateas tem um vasto treinamento como psicólogo e sexólogo, e seu olhar sobre o comportamento humano não deixa ninguém indiferente .

Hoje tivemos o prazer de compartilhar uma conversa com Bernardo Stamateas, para rever vários tópicos sobre sua vida, seu trabalho e sua visão sobre a realidade.

Entrevista com Bernardo Stamateas

Bertrand Regader: A sequela de seu maior sucesso editorial "Toxic people" é seu último livro: "Mais pessoas tóxicas" (2014) O que está acontecendo em nosso dia a dia para que estejamos constantemente cercados por pessoas assim? Isso sempre aconteceu?


Bernardo Stamateas: Pessoas tóxicas sempre foram e sempre estarão ao nosso redor. Todo mundo que destruiu sua auto-estima, que geralmente é forjada durante a infância, terá toxicidade em suas vidas em maior ou menor extensão e fixará seu olhar nos outros. A razão é que ele não consegue encontrar um significado, uma direção para sua vida e decide se manter na vida de outra pessoa. Em geral, são pessoas com grandes problemas de relacionamento que, embora pareçam grandes e importantes, escondem-se atrás de máscaras que, consciente ou inconscientemente, pretendem vender a outras pessoas.

Milhares de pessoas vivem diariamente dessa maneira, talvez a liberdade e o avanço tecnológico que desfrutamos hoje na maioria das sociedades atuais tornem essas atitudes mais evidentes e descobertas, ao contrário de outras épocas em que, embora existissem, mantido oculto ou ignorado. Não por isso, o dano que causaram foi menor.


B.R. : Quais seriam as principais características que definem pessoas tóxicas?

Stamateas: Como explico em meu livro "Mais pessoas tóxicas", todo ser humano tem algum traço tóxico, o que equivale a uma personalidade aérea imatura. A verdade é que todos nós viemos "fábrica falhou". A diferença com o tóxico é que, para este último, não é uma característica, mas um modo de viver, pensar e agir.

Ser tóxico é uma maneira de funcionar. Outra diferença importante é que a maioria das pessoas tenta melhorar suas características negativas (para as quais elas as percebem primeiro); enquanto o tóxico não os reconhece, os nega e opta por culpar os outros por seus problemas. Essa atitude não faz nada além de roubar a energia dos outros.

B.R. Outro dos seus livros, o também best-seller "Emociones Toxic", deu muito que falar. Quais são essas emoções de autodestruição e como podemos tentar não ser afetadas?


Estamatéias: As emoções fazem parte da nossa vida e sempre nos enviam uma mensagem. Nenhuma emoção é ruim em si mesma, porque todos eles nos ensinam algo. A tristeza nos faz andar devagar, falar devagar e aumentar o processo de reflexão e introspecção, porque há uma perda que precisa ser resolvida. Raiva e frustração são emoções que geram força interior, porque vemos que há uma pedra na estrada e precisamos ser fortes para executá-la. A culpa nos faz sentir mal por ter transgredido uma norma e provoca um processo de reflexão para produzir um reparo. Se eu insultei alguém, agora vou me desculpar.

Emoções tornam-se tóxicas quando lhes damos rédea livre. Por exemplo, a pessoa que diz: "Eu expresso toda a minha raiva, é por isso que nunca vou ser infartado". E isso é apenas uma atitude tóxica, dê rédea solta. Ou aquele que reprime sua emotividade e diz: "Eu nunca fico com raiva". Quando aprendemos a expressar nossas emoções, a colocá-las em palavras para que elas tenham um significado que nos ajude a crescer, então as estamos administrando de maneira inteligente. Isso é chamado de "inteligência emocional".


B.R. : Você é um psicólogo multifacetado, uma figura que pode estar se perdendo para dar lugar a profissionais ultra especializados em um campo específico. Isso permite que você faça palestras e escreva sobre vários tópicos. Quais são os tópicos que você mais gosta de falar?

Stamateas: Os tópicos sobre os quais falo ou mais escrevo são aqueles sobre os quais sou contatado em busca de soluções. Eu recebo centenas de e-mails por dia com pedidos de ajuda e o problema número um são os conflitos de casal, entre os quais estão: primeira infidelidade, segundo abuso e terceiras lutas intermináveis. Dessas questões, os tópicos mais consultados são duelos não processados, perdas e problemas de auto-estima.

Cada livro que escrevi surgiu depois de ouvir os problemas diários das pessoas, seus sucessos e seus erros. Isso me permite entender quais são suas principais necessidades e tentar, do meu lugar, ajudá-las a serem mais felizes e descobrir o propósito de suas vidas. Meu objetivo como escritor é colaborar para que cada ser humano se torne a melhor versão de si mesmo, alcançando uma estima saudável e a realização de todos os seus sonhos.

B.R. : Auto-ajuda é um gênero que é muito subestimado, e às vezes com razão. Mas seus livros conseguiram captar a atenção de um público amplo, ansiosos para conhecer um pouco melhor a mente humana, por que somos como somos. O que você acha que seus livros alcançaram esses números de vendas superlativos?

Stamateas: Minha intenção ao escrever é que os livros são um material simples, fácil de entender, para que todos que os leiam saibam o que está sendo falado neles. Não quero impressionar ninguém. Como comentei recentemente em um relatório de jornal, em uma ocasião, um mágico me disse que, quando queriam esconder algo, o deixavam para o público. A razão? Porque "o óbvio se torna invisível". Essa frase me surpreendeu. Eu não tento descobrir ou inventar nada, nem escrevo textos acadêmicos. Eu só procuro oferecer idéias que por várias razões podem ter se tornado invisíveis para as pessoas e convidar meus leitores a pensar.

B.R. Você não acha que, no gênero de autoajuda, uma certa "felicidade" é abusada? O tema de "amar a si mesmo mais, perseguir seus sonhos" ... Seus livros são outra coisa.

Stamateas: Dentro do gênero de autoajuda, temos desde os livros mais simples que dizem: "Amate, querrete, cuidate"; mesmo os mais elaborados oferecendo soluções inteligentes. Nenhum livro muda a vida de ninguém porque um livro não é uma varinha mágica. É apenas um gatilho para refletir. Em vez de auto-ajuda, eu prefiro chamá-los de "livros de crescimento pessoal", embora, se pararmos para pensar um pouco, finalmente cada livro seja de auto-ajuda. Um livro de poesia e um livro de história nos ajudam a pensar, a refletir, a crescer.

O processo de crescimento sempre depende de si mesmo. É verdade que dentro do gênero, como em qualquer outro, há diferentes desenvolvimentos e níveis de profundidade. Cabe a cada leitor decidir qual servirá de acordo com o estágio evolucionário em que se encontra.

B.R. Você sente um pouco de pressão para manter esse ritmo de vendas com cada novo livro que você escreve, ou é um assunto que não te preocupa muito?

Stamateas: Eu distingo o sucesso da fama. Sucesso é fazer o que se gosta. Fama é o olhar social. Quando você estiver no sucesso, aproveite a fama ou o reconhecimento dos outros. O problema surge quando se vai depois da fama. Eu sempre me concentrei em fazer o que eu gosto e, claro, eu gosto de viajar por diferentes países, conhecendo muitas pessoas e sentindo que contribuo um pouco para ajudar a melhorar e liberar o potencial que todos nós temos.

B.R. : Vamos olhar para o futuro: em quais projetos você está trabalhando? Talvez algum trabalho editorial para os próximos meses?

Stamateas: Agora todos os livros que eu escrevi no jornal estão saindo A nação aqui na Argentina. Também estou trabalhando em novos projetos onde estou compilando os quinhentos conflitos mais frequentes e idéias práticas e ferramentas para resolvê-los. Eu continuo viajando e dando palestras em todo o mundo.


  • Créditos das imagens: Bernardo Stamateas, losandes.com.ar

"Personas tóxicas". Encuentro Responsable RTVE. (Outubro 2022).


Artigos Relacionados