yes, therapy helps!
As diferenças entre síndrome, transtorno e doença

As diferenças entre síndrome, transtorno e doença

Outubro 1, 2022

No campo da saúde e psicologia, o uso de três conceitos-chave é muito frequente: a síndrome, o distúrbio e a doença .

São palavras com grande força, porque no nível popular tendem a se associar à falta de saúde e aos problemas do organismo, alguns dos quais podem ser crônicos e, portanto, não têm cura. Porém, isso não significa que em ambientes científicos, acadêmicos e de saúde sejam utilizados como sinônimos . Na verdade, eles não são.

A seguir, examinaremos as diferenças entre a doença, a síndrome e o distúrbio, mas primeiro precisamos esclarecer o significado da palavra "sintoma" para entender todo o resto.


O que é um sintoma?

No campo da saúde, um sintoma é a expressão de um estado anômalo isto é, a conseqüência de um fenômeno que se manifesta em um corpo. Dessa forma, um sintoma pode ser um sinal de alerta de que um paciente pode ter sua saúde comprometida de alguma forma, ou pode ser um "alarme falso".

Ou seja, um sintoma pode ser muitas coisas e o fato de estar presente não serve como confirmação definitiva de que a saúde de alguém está comprometida: por exemplo, um paciente pode dizer que sua cabeça está doendo (sintoma) sem que isso seja um sinal de que ele tem uma doença .

A síndrome

Uma síndrome é um conjunto de sintomas que ocorrem juntos e que foram estudados anteriormente e que, portanto, foi identificado como um quadro clínico ligado a um ou vários problemas de saúde. Assim, em uma síndrome há uma série de sintomas que ocorrem juntos com muita frequência. No entanto, os sintomas que compõem uma síndrome podem variar com o tempo e, portanto, podem desaparecer.


Qual é a diferença entre uma síndrome e uma doença? Agora vamos ver isso.

A doença

O conceito de doença, como o da síndrome, é uma entidade clínica e, portanto, tem a ver com problemas de saúde. Entretanto, se uma síndrome nada mais é do que um conjunto de sintomas já estudados e identificados como tendo sua própria entidade por ter um modo típico de se manifestar, Uma doença deve apresentar, além de um ou mais sintomas, ou alterações reconhecíveis no organismo ou uma causa biológica conhecida (ou ambas).

Ou seja, que uma síndrome, sendo essencialmente um conjunto de sintomas, não precisa ter uma causa conhecida ou se desenvolver ao mesmo tempo que alterações anatômicas.

Assim, algumas síndromes podem ser a manifestação de uma doença, mas outras não, uma vez que suas causas podem ser tão biológicas quanto, por exemplo, sociais.


O que é um distúrbio?

Em termos genéricos, pela desordem pode ser entendido simplesmente uma alteração do estado de saúde normal devido ou não a uma doença. A área em que é mais comum falar de distúrbios é a da saúde mental. Um transtorno mental é geralmente entendido como uma mudança mal-adaptativa (e, portanto, problemática) que afeta os processos mentais.

Muitas vezes o termo distúrbio é usado como uma forma menos rigorosa de se referir à doença nos casos em que as causas não são muito claras e as possíveis alterações anatômicas com as quais está associada podem ser causa ou consequência da mesma. No caso dos transtornos mentais, isso é feito muito, já que muitas vezes não é muito claro se os desequilíbrios bioquímicos associados a alguns transtornos são o que produzem os sintomas ou são o produto de uma dinâmica de interação entre a pessoa e seu ambiente.

Deste modo, o conceito de desordem simplesmente serve para descrever os sinais do estado de anormalidade e alteração da saúde em que uma pessoa é encontrada, enquanto que a doença indica uma relação causal, porque inclui as causas específicas (etiologia) da falta de saúde.

Artigo relacionado: "Os 16 transtornos mentais mais comuns"

A desordem como resultado de uma dinâmica de interação

E qual é a outra maneira de entender o significado do termo desordem ao falar sobre transtornos mentais? Bem, precisamente, tem a ver com enfatizar a maneira pela qual o indivíduo se relacionou e continua a se relacionar com o ambiente, ao invés de entender algo estático, relacionado à genética, doença e lesões. Um distúrbio pode, na verdade, ser a consequência do fato de ter estado envolvido em um conjunto de situações ligadas ao contexto em que vivemos e que nos levaram a entrar em uma dinâmica de comportamentos que prejudicam nossa saúde.

A causa do distúrbio, portanto, não precisa ser reduzida a uma parte muito específica do cérebro que funciona de forma anormal, mas pode ser dividida em todas as ações que compõem um ciclo: agimos de certa forma porque percebemos as coisas. de certa forma porque agimos de um jeito, etc.

Então, o quadro de referência que nos ajuda a entender o que queremos dizer quando falamos sobre o que é um distúrbio: Os distúrbios são descobertos pelo ser humano ou são construídos por ele? Responder a essa pergunta não é fácil, e a natureza desse debate tem a ver com ciência e filosofia.


Doença, Síndrome e Transtorno: Qual a diferença? (Outubro 2022).


Artigos Relacionados