yes, therapy helps!
As 4 diferenças entre Biofeedback e Neurofeedback

As 4 diferenças entre Biofeedback e Neurofeedback

Julho 19, 2024

Embora possam não ser um dos procedimentos mais conhecidos, o biofeedback e o neurofeedback são tratamentos que estão gradualmente desfrutando de crescente aplicabilidade em diferentes transtornos, tanto médicos quanto psiquiátricos. Estas são duas técnicas que são geralmente muito associadas, sendo o neurofeedback um dos tipos de biofeedback que existem. Mas, apesar disso, existem algumas diferenças entre os dois conceitos. Desta forma, vamos dedicar o presente artigo para falar sobre as diferenças entre biofeedback e neurofeedback .

  • Talvez você esteja interessado: "As 5 principais tecnologias para o estudo do cérebro"

Definição dos dois conceitos

Existem pequenas diferenças entre o neurofeedback e o restante dos tipos de biofeedback, mas antes de ser possível determinar quais são, em primeiro lugar, é necessário fazer uma breve descrição de cada um desses conceitos.


Biofeedback: descrição básica

É conhecido como biofeedback para o conjunto de técnicas utilizadas no nível terapêutico que baseiam seu funcionamento em a consciência dos processos biológicos e fisiológicos Ele traz o nosso corpo em diferentes situações problemáticas. Essa conscientização é realizada com a ajuda de diferentes procedimentos ou tecnologias, e pretende-se que, depois disso, o sujeito possa não apenas reconhecer, mas também controlar voluntariamente os processos biológicos geralmente não conscientes.

Os principais objetivos desta técnica são adquirir controle sobre o sistema fisiológico, aprender a manter o autocontrole do dito sistema na ausência de biofeedback e generalizar o dito autocontrole.


O tipo de respostas ou elementos biológicos que se pode tentar regular por meio dessa técnica é muito variado, podendo pertencer a praticamente qualquer sistema corporal. Temperatura, atividade eletrodérmica, controle muscular, freqüência cardíaca ou volume sanguíneo em uma determinada área são exemplos disso. Também os instrumentos utilizados para a sua medição são muito variáveis . Com base nos elementos medidos, podemos encontrar diferentes tipos de biofeedback, sendo o eletromiográfico um dos mais conhecidos (baseado na atividade dos músculos).

Tem sido usado com eficácia comprovada em diferentes distúrbios e doenças, como dor neurológica, cardíaca, muscular, intestinal, respiratória, crônica, alergias ou problemas psicológicos como estresse ou ansiedade.

  • Você pode estar interessado: "Dor crônica: o papel de Mindfulness e Biofeedback no tratamento da dor persistente"

O neurofeedback

Em relação ao neurofeedback, estamos enfrentando uma especialização da técnica anterior que é baseado no controle da atividade eletrofisiológica do próprio cérebro. Em outras palavras, neste tipo de biofeedback, o registro da atividade elétrica do cérebro é usado para treinar o sujeito em seu controle através de sua visualização.


As ondas cerebrais registradas serão convertidas em um sinal que será usado para ensinar o controle dos padrões de atividade cerebral. É possível que o paciente seja ensinado diretamente ao seu encefalograma ou que este sinal seja previamente analisado e processado de tal forma que se transforme em diferentes estímulos visuais (por exemplo, números) ou em mapas topográficos do cérebro que permitam visualizar em 3D as áreas do cérebro e sua atividade.

Este tipo de biofeedback é muito útil para treinamento em várias habilidades e para os pacientes observarem sua atividade cerebral em distúrbios ou problemas como insônia, epilepsia, TDAH, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, transtorno de estresse pós-traumático, problemas de memória, falta de controle de impulsos, problemas de aprendizagem, afasias e outros problemas de linguagem ou níveis de ansiedade ou estresse. Também em paralisia e parestesias, distúrbios alimentares ou incontinência urinária.

Principais diferenças entre biofeedback e neurofeedback

Como vimos através de sua definição, o biofeedback e o neurofeedback são duas técnicas que apresentam muitas semelhanças, sendo, na verdade, o neurofeedback um tipo de biofeedback. Porém, apresentar uma série de características diferenciais isso poderia levar a separar os dois tipos de técnica. Entre eles, destacam-se os seguintes.

1. Nível de especificidade

Uma das diferenças mais claras e que é visível desde o início do artigo é o nível de especificidade de ambas as técnicas. O neurofeedback, também conhecido como biofeedback eletroencefalográfico, é um tipo específico de biofeedback que visa aprender a controlar os padrões de atividade cerebral. O termo biofeedback abrangeria este e outros tipos de biofeedback, sendo necessário especificar o tipo de informação biológica que será trabalhada .

2. Processos nos quais trabalhamos

Embora o objetivo do biofeedback e do neurofeedback seja ajudar os pacientes a aprenderem a controlar os processos inconscientes em princípio, para que esses processos não escapem ao seu controle e lhes causem danos, a verdade é que os campos de aplicação são algo diferente um do outro.

Normalmente, no nível do biofeedback, geralmente trabalham no nível de controle da atividade escolhida, isto é, em aprender a controlar a atividade respiratória ou cardíaca, por exemplo, ou o influxo de sangue para certas partes do corpo. Ele Também pode ser usado no nível psicológico para reduzir os níveis de ansiedade ou estresse , mas aplica-se principalmente aos aspectos corporais.

No entanto, o neurofeedback tenta dar algum controle sobre o nível de ativação cerebral. Embora isso inclua certa corporeidade, os aspectos sobre os quais eles afetarão especialmente são principalmente mentais, tendo que controlar a ativação mental para poder introduzir mudanças no padrão cerebral.

3. Nível de complexidade

Outra possível diferença entre o neurofeedback e outros tipos de biofeedback ocorre no nível de complexidade envolvido na medição e uso da técnica. E embora o controle muscular ou mesmo respiratório seja um conceito que não seja estranho e seja fácil visualizar como realizá-lo (embora possa ser mais complexo do que parece), o mesmo não acontece quando falamos de padrões de atividade cerebral. Não estamos acostumados a tentar exercer algum controle sobre esse órgão, e pode ser um pouco abstrato entender que certos modos de agir correspondem ao estímulo que nos é apresentado.

4. Dificuldades técnicas

A complexidade acima mencionada pode não apenas em um nível prático, mas também metodologicamente . E é que registrar corretamente a atividade encefalográfica e apontar também as áreas responsáveis ​​por ela apresenta mais dificuldades do que o registro de outros tipos de atividades, ainda que atualmente haja cada vez mais conhecimento da cartografia e do conhecimento do funcionamento cerebral.

Devemos também ter em mente que a atividade necessária para ativar certas reações cerebrais em cada cérebro pode variar enormemente dependendo da configuração nervosa ou até mesmo a personalidade do paciente.

Referências bibliográficas:

  • Carrobles, J.A. (2016). Bio / neurofeedback. Clinic and Health, 27 (3): 125-131.

Introdução biofeedback e neurofeedback (Julho 2024).


Artigos Relacionados