yes, therapy helps!
Ataques de pânico: causas, sintomas e tratamento

Ataques de pânico: causas, sintomas e tratamento

Fevereiro 3, 2023

Era uma tarde de quinta-feira e Luis deixou a universidade a caminho de casa , como de costume. Ele andava determinado e tudo parecia normal, mas de repente ele começou a notar sensações estranhas que nunca sentira antes. Angústia, tremores por todo o corpo, taquicardia, extrema ansiedade e um pensamento totalmente irracional "Eu vou morrer!".

O que são crises de ansiedade?

Luis tentou se acalmar, mas a ansiedade, o pensamento e o medo irracional se apoderaram dele. , ele achou impossível se acalmar, pensou que o que estava acontecendo em sua mente estava prestes a acontecer, e em um ato quase instintivo, ele começou a correr em volta tentando encontrar algum tipo de ajuda.


As pessoas que estavam naquele lugar assistiram a Luis atônito , tentando decifrar o que poderia estar acontecendo com o jovem, por que ele estava correndo sem rumo. Aqueles que se aproximaram de Luis podiam ouvir um grito desesperado: "Eu não quero morrer!"

Quando passaram mais de dez minutos desde o acidente, Luis sentiu a ansiedade descer, sentiu como seu batimento cardíaco estava se regularizando e como suas ideias e pensamentos estavam se tornando mais claros. Exausto depois que a bebida ruim ele permaneceu sentado e confuso em um parque, à vista de muitas pessoas que comentaram entre zombarias "é uma pobre pessoa louca". Temeroso e confuso, Luis voltou para casa sem qualquer resposta lógica ao que poderia ter acontecido com ele.


Aquela noite marcou para Luis um antes e depois da vida dele . Luis não entendeu o que poderia ter acontecido com ele, mas viu como esses eventos se repetiam habitualmente a ponto de impedi-lo de realizar suas tarefas diárias, incluindo seus estudos ou ter uma vida familiar como antes daquela noite. Sentiu medo de ficar sozinho e de expressar o que lhe acontecia antes que os estados angustiados estivessem presentes, Luis temia que seus amigos e familiares o levassem para um louco e, por essa razão, mantivera em silêncio seu sofrimento.

Ele decidiu confiar um amigo muito próximo com a situação que ele estava vivendo e ele recomendou que ele fosse a um médico especialista para avaliar o caso. No dia seguinte, Luis foi decidido no consultório do médico, mas o médico não encontrou nada anormal sobre ele. Ele foi encaminhado a um profissional de saúde mental, que após várias sessões, diagnosticou que Luis sofria de ataques de pânico.


Esta pequena história que acabamos de contar é mais comum do que podemos imaginar. Muitas pessoas sofrem desse transtorno de ansiedade e vivem sozinhas, sem a ajuda de parentes, amigos e sem ajuda profissional. Houve um aumento nos casos de ataque de pânico em jovens entre 15 e 25 anos de idade, sendo as mulheres as mais afetadas.

O que é um ataque de pânico?

Um ataque de pânico é aquela crise em que a pessoa experimenta altos níveis de angústia e ansiedade com pensamentos intensos e assustadores que algo sério pode acontecer.

Como indicado por Shirley Trickett (2009) em seu livro "Como superar ataques de pânico", os ataques de pânico são definidos como "uma resposta agravada a um medo irracional".

Atualmente A origem deste transtorno de ansiedade não é conhecida com certeza , embora existam alguns estudos em que se sugere que certas características genéticas desempenham um papel importante no desenvolvimento desses ataques. Tais investigações não gozam de unanimidade entre a comunidade científica, uma vez que existem vozes que alertam para outros fatores como precursores de crises.

Sintomas

De acordo com Trickett (2009), estes são alguns dos sintomas que uma pessoa apresenta quando sofre um ataque de pânico :

  • Medo
  • Desconcertar
  • Tontura
  • Dor no peito
  • Formigamento no corpo
  • Confusão
  • Taquicardia
  • Tremores
  • Sensações sufocantes

Ataques de pânico não podem ser previstos porque não há tempo, data, lugar onde eles possam se manifestar, resultando em uma mudança na vida social, profissional e familiar da pessoa que sofre por causa de sua natureza espontânea.

Muitas pessoas com apenas a memória de um ataque que sofreram no passado podem ser engolidas a ponto de desenvolver outro ataque ansioso. Outros vivem o dia a dia com uma preocupação excessiva em sofrer um ataque a qualquer momento, trazendo isso para sua vida um permanente sofrimento psicológico e emocional. E há também pessoas que, felizmente, não dão importância excessiva a esses episódios e levam uma vida totalmente normal.

Diagnóstico

O diagnóstico deve ser feito por profissionais, tanto na especialidade médica quanto na psicológica, descartando qualquer anomalia somática que possa resultar em um transtorno de ansiedade (revisão médica total),ou que existe algum tipo de medicamento ou substância psicotrópica que a pessoa consome e que desencadeia um ataque de pânico.

Uma vez que o processo médico tenha sido concluído e todas as causas anteriores tenham sido descartadas, será responsabilidade do profissional de saúde mental avaliar a pessoa e avisar se encontrar os indicadores para diagnosticar o caso como um ataque de pânico .

Tratamento

Existem dois tipos de tratamento para crises de ansiedade, sendo que ambos podem ser combinados:

a) Farmacológico : tratamento com ansiolíticos e antidepressivos, obviamente sob prescrição médica. Apenas um psiquiatra está autorizado a prescrever que tipo de medicação e durante qual período a dose do medicamento será administrada.

b) psicoterapia : em relação à psicoterapia, algumas escolas, como a terapia cognitivo-comportamental, relataram grande efetividade nesse tipo de casos. O psicólogo será capaz de fornecer um plano de intervenção com o paciente, onde ele / ela é sugerido diferentes maneiras de enfrentar uma crise de pânico e enfrentar qualquer situação temida por parte do paciente com ferramentas e recursos para minimizar a ansiedade.

Para melhores resultados, uma combinação dos dois tratamentos é ideal e mais aconselhável. Alguns profissionais recomendam outros tipos de técnicas que possam complementar o tratamento, embora possam escapar do campo científico se o paciente encontrar prazer em praticá-las, como ioga, meditação, etc.

O apoio emocional que pode ser fornecido a uma pessoa que está passando por esse tipo de caso será sempre importante. Como disse Sigmund Freud: "A ciência moderna não produziu uma medicina tranquilizadora tão eficaz quanto as palavras gentis são".

Referências bibliográficas:

  • Trickett, S. (2009). Como superar os ataques de pânico. Hispânico - Editorial Europeu. Barcelona Espanha.

Síndrome do Pânico | Drauzio Comenta #08 (Fevereiro 2023).


Artigos Relacionados