yes, therapy helps!
Obesidade: fatores psicológicos envolvidos no excesso de peso

Obesidade: fatores psicológicos envolvidos no excesso de peso

Novembro 30, 2022

A obesidade é considerada uma pandemia nos países ocidentais. Hábitos pouco saudáveis, estresse, vida sedentária e má alimentação são as causas mais frequentes de excesso de peso. É uma doença que vem da mão de um contexto de trabalho que nos obriga a estar sentado em um escritório e prestar pouca atenção à nossa saúde.

Claro, Existem vários distúrbios que também podem ser a causa da obesidade . Problemas médicos, como desequilíbrios endócrinos ou hormonais. Estes são casos separados que devem ser tratados de uma perspectiva principalmente médica.

Pode lhe interessar: "10 truques psicológicos para perder peso"

Fatores psicológicos e psiquiátricos do excesso de peso

Pesquisas científicas têm focado nesta doença, a obesidade. Nos Estados Unidos, mais de dois terços das mulheres adultas e até 75% dos homens têm excesso de peso.


Excesso de peso e obesidade: diferenças

É útil diferenciar sobrepeso e obesidade , pois são conceitos relacionados, mas não idênticos. Ambos têm em comum que se referem ao excesso de gordura acumulada. No entanto, pessoas com excesso de peso são consideradas Índice de massa corporal (IMC) de 25 a 29'9, sendo pessoas que deveriam reduzir seu peso para serem mais saudáveis.

A obesidade é um problema quantitativo e qualitativamente mais sério. Pessoas obesas ultrapassam 30 pontos de IMC e sua saúde está em risco significativo.


Tratar a obesidade da psicologia

As causas da obesidade são diversas e, em muitos casos, comórbidas. Isso significa que os tratamentos para superar este problema devem ser multifatoriais : do campo médico e endocrinologista, a psicologia e a psiquiatria podem ajudar as pessoas que sofrem deste problema.

Ao longo das últimas décadas, tem sido desenvolvido um grande número de terapias e tratamentos contra essa doença, focados principalmente na melhoria dos hábitos alimentares e na promoção do exercício físico. Esses dois fatores estão intimamente ligados à redução do volume corporal.

Entretanto, profissionais que tratam da obesidade vêm percebendo que é necessário intervir nesse problema com abordagens mais específicas e personalizadas, por meio de intervenções médicas, nutricionais, psiquiátricas e psicológicas. Essa mobilização de profissionais para enfrentar esse problema é motivada pelos custos humanos, sociais e econômicos gerados pela obesidade.


Riscos de pessoas obesas

A obesidade é uma doença que afeta não apenas a qualidade de vida das pessoas afetadas, mas também acarreta outros problemas importantes:

1. Comorbidade

A obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento de outras patologias: hipertensão, doenças cardíacas, câncer, apneia do sono e assim por diante.

2. estigma social

Infelizmente, as pessoas que sofrem deste problema de saúde são fortemente estigmatizadas tanto na escola como no local de trabalho. Isso leva à diminuição do autoconceito, aumentando a ansiedade e piorando as relações pessoais.

3. Transtornos psicológicos e psiquiátricos

A obesidade tem um alto índice de comorbidade com psicopatologias, como ansiedade, vícios, depressão, distúrbios alimentares, entre outros.

Aspectos psicológicos relevantes

Como eu disse antes, a obesidade tem causas biológicas, psicológicas e culturais. Em relação aos aspectos psicológicos associados ao excesso de peso, existem diferentes abordagens e estudos que apontam certas causas possíveis, embora nenhum com alto grau de consenso.

Por exemplo, da Psicanálise, a obesidade é geralmente atribuída ao ato simbólico de comer, e o excesso de peso é geralmente associado a uma externalização da neurose, associada à depressão, culpa e ansiedade. Também é comum associar a obesidade a certos conflitos emocionais em segundo plano ou a outro transtorno mental anterior.

A etiologia psicológica da obesidade é confusa, por isso os esforços na intervenção se concentram em avaliar e reeducar certas crenças dos pacientes, além de conhecer as variáveis ​​afetivas (manejo emocional) e variáveis ​​ambientais (hábitos alimentares, hábitos, etc.). . Essa variedade de processos psicológicos envolvidos na obesidade aumenta a necessidade de abordar a situação de cada paciente individualmente, avaliando sua personalidade e seu ambiente.

Avaliação psicológica

Psicólogos e psiquiatras podem investigar intervir nas crenças e estados emocionais de pacientes obesos com o objetivo de melhorar sua qualidade de vida . É importante que o terapeuta crie um ambiente propício ao paciente para expressar e expressar seus conflitos afetivos e cognitivos.Geralmente, pessoas obesas experimentam baixa auto-estima e têm uma má imagem sobre seu próprio corpo.

Auto-estima, hábitos alimentares e percepção de consumo

Em suma, o terapeuta não deve apenas promover mudanças no nível de hábitos alimentares e estilo de vida, mas também deve encontrar uma maneira de reforçar o autoconceito para se concentrar na obtenção da perda de peso. Nesse sentido, é importante enfatizar a importância de oferecer ao paciente ferramentas para o controle de emoções, impulsos e técnicas de controle da ansiedade.

Vale ressaltar que pacientes com obesidade tendem a subestimar sua ingestão calórica em comparação com pessoas sem problemas de peso. Minimize a quantidade de comida que eles comem, não estando plenamente conscientes de que sua ingestão é excessiva. Esta é uma característica comum com pessoas que sofrem de outros tipos de vícios. Para controlar isso, o psicoterapeuta deve acompanhar o paciente e realizar registros ao vivo para mostrar quais valores devem ser aceitáveis para cada refeição.

Em suma, a terapia deve focar não apenas a perda de peso, mas o processo de maturação psicológica que permite a conscientização do problema, melhorando a qualidade de vida e estabelecendo hábitos saudáveis, como atividade física, melhor autoconceito e percepção do próprio indivíduo. corpo e hábitos alimentares mais saudáveis. Também é chave concienciar ao paciente que a obesidade é uma doença e enfatize que você deve se esforçar para evitar recaídas. Um dos tratamentos que demonstrou mais sucesso é a terapia cognitivo-comportamental.

Aspectos psiquiátricos a considerar

O papel do psiquiatra também é relevante no tratamento de pessoas com obesidade . Os psiquiatras são responsáveis ​​por decidir quais pacientes são elegíveis para cirurgia e quais não são. Tradicionalmente, considerou-se que pacientes com sintomas psicóticos não são adequados para se submeter a procedimentos cirúrgicos, nem aqueles com histórico de abuso ou dependência de álcool ou outras drogas.

Outro grupo de pacientes que tem sérias dificuldades para seguir um tratamento psiquiátrico ligado ao excesso de peso são aqueles que têm um transtorno de personalidade.

Aproximadamente 30% das pessoas obesas que chegam à terapia expressam ter impulsos bulímicos. Além disso, 50% dos pacientes com presidiários bulímicos também apresentam depressão, diferentemente de apenas 5% dos pacientes sem este tipo de impulsos.

Tratar transtornos afetivos como ansiedade ou depressão em pessoas obesas é fundamental para um bom prognóstico. É a base necessária para o paciente se comprometer a realizar o tratamento e mudar seu estilo de vida.

Concluindo

Definitivamente, pacientes com obesidade requerem tratamento global: médicos, psiquiatras, nutricionistas e psicólogos devem intervir para diagnosticar e tratar cada pessoa de forma correta e personalizada. Embora não haja um amplo consenso sobre as causas psicológicas da obesidade, encontramos alguns pontos em comum em muitos pacientes obesos: baixa autoestima, autoconceito ruim, maus hábitos alimentares e comorbidade com outras psicopatologias.

Isso deve nos fazer avaliar a relevância do papel dos profissionais de saúde mental para melhorar a qualidade de vida e as chances de recuperação desses pacientes.

Referências bibliográficas:

  • OMS (2014). Nota descritiva nº 311
  • Banegas, J.R. (2007). O desafio da obesidade para a saúde pública. Eu NAOS Convention. Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutricional. Madri, 27 de março de 2007.
  • Estratégia, N. A. O. S. (2005). Estratégia para nutrição, atividade física e prevenção da obesidade. Ministério da Saúde e Consumo. Agência Espanhola de Segurança Alimentar. Madri
  • Stunkard, A. J. (2000). Determinantes da obesidade: opinião atual. Obesidade na pobreza: um novo desafio para a saúde pública, 576, 27-32.
  • McRoberts, C., Burlingame, G.M. & Hoag, M. J. (1998). Eficácia comparativa da psicoterapia individual e de grupo: uma perspectiva meta-analítica. Dinâmica de Grupo: Teoria, Pesquisa e Prática, 2 (2), 101.

Fatores que levam ao aumento de peso além da alimentação (Novembro 2022).


Artigos Relacionados