yes, therapy helps!
Metacognição: história, definição do conceito e teorias

Metacognição: história, definição do conceito e teorias

Fevereiro 3, 2023

O conceito de metacognição é geralmente usado no campo da psicologia e das ciências comportamentais e cognitivas para se referir à capacidade, possivelmente encontrada apenas em humanos, de atribuir o próprio pensamento, idéias e julgamentos a outras pessoas.

O conceito de metacognição

Apesar do fato de que a metacognição é um conceito muito comum nos círculos científicos e entre a comunidade acadêmica, atualmente n ou é um termo aceito pela Real Academia Espanhola de Idiomas (RAE)

Existe, contudo, um consenso entre os acadêmicos da psicologia cognitiva ao definir a metacognição como uma capacidade inata em humanos . Essa habilidade nos permite entender e estar conscientes dos nossos próprios pensamentos, mas também da capacidade dos outros de pensar e julgar a realidade.


A metacognição, relacionada ao conceito de teoria da mente, também nos permite antecipar o comportamento de nós mesmos e dos outros por meio da percepção constante das emoções, atitudes e sentimentos dos outros, o que nos permite formular hipóteses sobre como elas agirão no futuro. futuro

Principais investigações

O conceito de metacognição tem sido amplamente estudado pelas ciências cognitivas, e sua importância está enraizada em áreas como personalidade, aprendizagem, autoconceito ou psicologia social. Vários acadêmicos se destacam nesse campo.

Bateson e metacognição em animais

Entre esses especialistas, é essencial nomear o antropólogo e psicólogo inglês Gregory Bateson, que iniciou estudos sobre a metacognição em animais. Bateson percebeu que os cães costumavam brincar uns com os outros, simulando pequenas e inofensivas lutas e detectaram que, através de sinais diferentes, os cães estavam cientes de estar em uma luta fictícia (um jogo simples) ou eles estavam enfrentando uma luta real e potencialmente perigosa.


Metacognição em humanos

Quanto aos humanos, a metacognição começa a aparecer já nos estágios iniciais de desenvolvimento, durante a infância . Entre três e cinco anos de idade, as crianças começam a apresentar respostas concretas que, aos olhos dos pesquisadores, correspondem à ativação de sua capacidade de realizar a metacognição. Os especialistas apontam que a metacognição é uma capacidade que está latente no ser humano desde o nascimento, mas só consegue “ativar” quando o estágio maturacional da criança atinge as condições apropriadas, além de uma estimulação correta de suas habilidades cognitivas.

Depois do estágio infantil, os seres humanos constantemente usam metacognição e isso nos permite antecipar as atitudes e comportamentos de outras pessoas. Embora, é claro, usemos a metacognição inconscientemente.


Psicopatologias relacionadas à ausência de metacognição

Em algumas circunstâncias, a metacognição não se desenvolve adequadamente . Nestes casos, a ausência ou dificuldades para ativar a metacognição são devidas à presença de certas psicopatologias. Esse diagnóstico pode ser feito por meio de determinados critérios de avaliação projetados para esse fim.

Quando as crianças não desenvolvem metacognição de maneira normativa, isso pode ser devido a diferentes causas. Há especialistas que apontam que o autismo pode ser causado por disfunções na teoria da mente.

Teorias que tratam da metacognição

Metacognição e a teoria da mente foram abordados constantemente pela psicologia . Em termos gerais, o conceito é geralmente definido como a maneira pela qual os indivíduos raciocinam e aplicam o pensamento para refletir (inconscientemente) sobre o modo como os outros agem. A metacognição, portanto, nos permite apreender alguns aspectos de nosso ambiente e nos permite refletir, fornecendo-nos ferramentas melhores para realizar nossos desejos e idéias.

Metacognição é também uma habilidade que nos permite gerenciar uma ampla gama de processos cognitivos, desde os mais simples até os mais complexos.

John H. Flavell

Um dos autores mais citados sobre o conceito de metacognição e teoria da mente é o psicólogo norte-americano John H. Flavell. Este especialista em psicologia cognitiva, que era um discípulo de Jean Piaget, é considerado um dos pioneiros no estudo da metacognição . Segundo Flavell, a metacognição é a maneira pela qual os seres humanos compreendem as funções cognitivas próprias e alheias, antecipando as intenções, idéias e atitudes dos outros.

Construtivismo

O escola construtivista propõe certas nuances em torno do conceito de metacognição. Ele ressalta, desde o início, que o cérebro humano não é um simples receptor de insumos perceptivo, mas também é um órgão que nos permite criar estruturas psíquicas que acabam constituindo, por exemplo, nossa personalidade, através de nossas memórias e conhecimentos.

De acordo com o construtivismo, então, a aprendizagem está ligada à história pessoal e subjetiva do indivíduo, bem como à sua maneira de abordar e interpretar (dar sentido) ao conhecimento que ele está adquirindo. Esse conhecimento inclui aqueles que se referem ao que você acredita que os outros sabem, o que eles pretendem etc. Dessa forma, um ou outro estilo de metacognição tem implicações na maneira pela qual o indivíduo aprende a se integrar nos espaços sociais.

Metacognição e aprendizagem: "aprender a aprender"

O conceito de metacognição também é comumente usado no campo da psicopedagogia e do ensino. Nos processos envolvidos na aprendizagem, o sistema educacional deve tentar enfatizar as habilidades pessoais de cada aluno que estão relacionadas à maneira como ele aprende e compreende os conceitos. Nesse sentido, é interessante formular um currículo educacional que seja permeável às necessidades cognitivas dos alunos e que estimule essa capacidade.

Uma das maneiras de melhorar a metacognição na sala de aula é desenvolver um estilo de ensino que leve em consideração as habilidades, habilidades e competências cognitivas, bem como o gerenciamento emocional dos alunos. para que uma melhor conexão entre o aluno e o objeto de estudo seja alcançada , incentivando a aprendizagem significativa. Este estilo de aprendizagem tem que andar de mãos dadas com um tratamento personalizado para os alunos.

Assim, a teoria da mente e a metacognição podem nos ajudar a entender e tornar nosso aprendizado mais eficiente, através do planejamento e avaliação de nossa maneira de abordá-lo.

Referências bibliográficas:

  • Albaiges Olivart, J. M. (2005). O poder da memória. Barcelona, ​​o Aleph.
  • Anguera, M. T. (1993). Metodologia observacional em pesquisa psicológica. Vol. 1 Barcelona: PPU.
  • Bruner, J. (2004). Realidade mental e mundos possíveis. Barcelona
  • Gardner, H. (2004). Mentes flexíveis: A arte e a ciência de saber como mudar nossa opinião e a dos outros. Barcelona, ​​Edições Paidós.
  • Pedhazur, E.J. e Schmelkin, L. P. (1991). Medição, design e análise: uma abordagem integrada. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

ALBERT BANDURA (3) – AUTORREGULAÇÃO E DESENGAJAMENTO MORAL | TEORIA SOCIAL COGNITIVA (Fevereiro 2023).


Artigos Relacionados