yes, therapy helps!
Melofobia (fobia musical): sintomas, causas e tratamento

Melofobia (fobia musical): sintomas, causas e tratamento

Setembro 30, 2022

Dizem que a música é a linguagem da alma. Não em vão, através dele o ser humano tem sido capaz de comunicar e expressar suas emoções e angústias da antiguidade mais remota.

A maioria acha este conceito profundamente agradável e agradável, usando-o para relaxar ou vibrar com ele, e até mesmo acha inconcebível viver sem música. Mas, embora seja incomum, algumas pessoas sentem um profundo medo de invalidar quando ouvem qualquer música. É sobre pessoas com melofobia , uma fobia estranha sobre a qual vamos falar.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

O que é melofobia?

O conceito melofóbico refere-se à existência de fobia musical, ou seja, o surgimento irracional de um nível muito alto de pânico, medo e angústia quando expostos a qualquer tipo de música ou melodia.


É importante ter em mente que a melofobia não é uma simples antipatia ou antipatia pela música , mas é estabelecido como um medo patológico que o próprio sujeito considera não ser lógico ou excessivo para o possível risco que poderia ser representado na realidade. Aproximar-se ou até mesmo pensar em se expor ao temido, neste caso a música, gera uma ansiedade e um sofrimento muito elevados, que geralmente se traduzem em uma afetação no nível fisiológico.

Sintomas

Entre os sintomas fisiológicos que geralmente aparecem em consequência dessa ansiedade, podemos encontrar a presença de taquicardia, hiperventilação, suor frio, agitação ou dor no peito. Além disso, a despersonalização ou a sensação de irrealidade geralmente aparecem, assim como o medo da perda do controle corporal ou mesmo a possibilidade de morrer, e é possível que o sujeito sofra de uma crise de ansiedade.


Tudo isso faz com que o sujeito tenda a evitar o medo para não sentir essa ansiedade, algo que pode gerar repercussões no dia a dia da pessoa. No caso do medo da música, esses assuntos evitar situações como shows, discotecas, festas ou até celebrações, tanto quanto possível . Também é comum que o rádio ou mesmo a televisão não sejam ligados.

Mas não é só isso, e é além dos espaços em que se pretende ouvir música em si, também podemos encontrar música em quase todos os eventos sociais ou em quase todos os locais. De um supermercado a um local de trabalho, incluindo o transporte público, há lugares onde algum tipo de melodia vai tocar em algum momento.

Também é possível que outras medidas alternativas sejam usadas para eliminar ou reduzir o nível de som que chega aos ouvidos, como plugues.


  • Talvez você esteja interessado: "O que acontece em seu cérebro quando você ouve sua música favorita?

Causas possíveis

A melofobia é uma alteração muito rara, cujas causas não são completamente conhecidas e podem vir ou ser influenciadas por fatores muito diferentes. Em algumas fobias, às vezes, considera-se que há uma certa predisposição biológica a sofrer com isso. , como no medo dos animais. Entretanto, nesse sentido, não parece haver uma situação no nível biológico que possa facilitar o surgimento de comportamentos evitativos e fóbicos.

Talvez o canto pudesse ser considerado como um estímulo usado desde a antiguidade para gerar expectativa ou dar algum tipo de alerta, em alguns casos negativo.

Outra das teorias é aquela que liga o surgimento dessa ou de outras fobias como um mecanismo de defesa a um estímulo doloroso e emocionalmente estimulante, como a morte de um ente querido próximo ou uma experiência vivenciada como traumática ou altamente aversiva.

Neste caso, é possível que se a experiência dolorosa e traumática foi associada à música Isso é visto como algo negativo e ansioso e, portanto, acaba sendo evitado. Por exemplo, o fato de você estar ouvindo música no momento da morte de um parente, o diagnóstico de uma doença ou sofrer algum tipo de abuso ou dano são situações em que o som foi condicionado como um estímulo aversivo. ligando-se à situação dolorosa em questão.

Também vale a pena considerar a possibilidade de que esta fobia possa surgir secundária a qualquer condição médica relacionada à audição, ou como uma reação à estimulação sonora excessiva que gerou grande desconforto. O exemplo mais claro é o das pessoas com hiperacusia, que percebem estímulos muito mais intensos e irritantes relativamente inferiores à média. Neste caso, não seria uma fobia primária, mas sim secundária ao problema de saúde manifestado.

Tratamento

Embora a melofobia seja uma desordem estranha e incomum, a verdade é que pode ser trabalhado em terapia a fim de tentar pôr fim ao problema ou aumentar o sentimento de controle na ansiedade sentida.

Nesse sentido, uma das principais estratégias utilizadas é a utilização da terapia de exposição. Neste tipo de terapia pretende-se que o sujeito reduza a ansiedade sentida com base na enfrente as situações que você teme e permaneça nelas sem evitá-las até que a ansiedade seja bastante reduzida. O objetivo não é realmente eliminar a ansiedade, mas aprender a gerenciá-la e reduzi-la.

Para isso, primeiro será elaborada uma hierarquia de exposição, na qual, entre paciente e terapeuta, é estabelecida uma série de situações ou atividades que surgem estímulos fóbicos e que geram mais ou menos ansiedade ao paciente e, então, os ordena. Posteriormente, o sujeito será exposto a cada um deles, indo para o próximo somente quando pelo menos dois testes consecutivos de níveis de ansiedade forem virtualmente inexistentes.

Por exemplo, no caso da música, o sujeito pode ser exposto a pequenas melodias suaves, com orelhas semifechadas e, gradualmente, aumentar o volume e a duração da peça musical, ou ir ao local como centros comerciais, ouvir músicas inteiras ou até mesmo terminar indo a um concerto.

Além disso, a reestruturação cognitiva pode ser útil para modificar as crenças que podem estar na base do pânico para ouvir música. Nesse sentido, pode ser necessário debater e fazer o sujeito refletir sobre o que a música significa para ele e o que ele atribui ao medo. Depois disso, podemos tentar ajudar o sujeito a observar e elaborar possíveis crenças alternativas que poderiam ser muito mais adaptativas.

As técnicas de relaxamento também são fundamentais, pois permitem diminuir o tom e a ativação gerada pela exposição. De fato, eles podem ser usados ​​na hierarquia acima mencionada para fazer, em vez de exposição, uma dessensibilização sistemática (na qual o objetivo é reduzir a ansiedade emitindo uma resposta incompatível com ela).

Referências bibliográficas:

  • Bourne, E. J. (2005). The Anxiety & Phobia Workbook, 4ª ed. Publicações New Harbinger.

MELOFOBIA (Setembro 2022).


Artigos Relacionados