yes, therapy helps!
Encoprese infantil (incontinência): causas, tipos e tratamento

Encoprese infantil (incontinência): causas, tipos e tratamento

Fevereiro 3, 2023

Muitas crianças e até alguns adultos sofreram algum tipo de incontinência urinária ou fecal. Em relação à incontinência fecal em um grande número de casos, podemos constatar que essa perda de controle pode ser devido a uma doença como gastroenterite ou epilepsia, perda de tônus ​​muscular nos esfíncteres devido à idade, a presença de alterações como as causadas para cirurgia ou o consumo de algumas substâncias.

Mas a causa nem sempre é orgânica: às vezes, sensações e emoções como medo ou ansiedade, ou mesmo risos, podem acabar com pelo menos uma parte de nosso lixo orgânico que não pode ser retido (existem até expressões populares sobre isso). Quando isso ocorre na ausência de patologia e de forma freqüente estamos falando de um problema ou transtorno chamado encoprese, e se ocorre em crianças, é chamado de encoprese infantil .


  • Artigo relacionado: "Enurese (urinar): causas, sintomas e tratamento"

Uma desordem de excreção

Encoprese é definida como o distúrbio caracterizado por Deposição de fezes repetida e frequentemente por pelo menos três meses em locais inadequados, como roupas ou no chão, que podem ser deposição voluntária ou involuntária.

Para o diagnóstico deste transtorno, classificado como um distúrbio de excreção juntamente com enurese ou incontinência urinária, é necessário que o sujeito tenha pelo menos quatro anos de idade (quando uma grande parte das crianças já tem controle de seus intestinos) e a incontinência não seja devida à presença de uma doença ou alteração fisiológica além possibilidade de constipação, ou o consumo de substâncias como laxantes ou alimentos em más condições.


Este distúrbio pode causar a presença de sentimentos profundos de vergonha ou culpa na criança , que às vezes acaba levando a problemas de vinculação afetiva com os outros, bem como ocultando os movimentos intestinais quando eles ocorrem involuntariamente.

Tipos de encoprese de acordo com o controle esfincteriano

A encoprese infantil pode ser classificada em primária e secundária dependendo se o problema é que o meno não controlou em nenhum momento o processo de excreção ou é devido à falta de controle produzido por um elemento particular.

Encopresis primária

A encoprese primária ou contínua é aquela em que o menor não demonstrou em nenhum momento poder controlar a emissão de fezes, apesar de ter um nível suficientemente avançado de desenvolvimento como ser capaz de fazer isso.


Encopreses Secundárias

Também chamado de encoprese descontínua, nele o sujeito ele já adquiriu um bom controle de seus esfíncteres e a emissão de fezes, mas por algum motivo no presente parou de fazê-lo. Em outras palavras, na incontinência de encoprese secundária não é devido ao fato de que o menor ainda não foi capaz de controlar a defecação de antemão.

Tipos de encoprese de acordo com o nível de retenção de fezes

A encoprese infantil pode ser dividida em duas, dependendo se a excreção é realizada devido à retenção excessiva de fezes pela criança ou se ocorrer na ausência de qualquer tipo de constipação .

Encotres Retentivo

A encoprese retentiva ou constipação e incontinência devido a transbordamento ocorre quando a criança retém prolongadamente a emissão de fezes, pode ser de duas semanas sem defecação. O menino ou menina acaba fazendo suas fezes devido a transbordamento, primeiro expelindo fezes e fezes duras de grande consistência que supõe um certo nível de dor para expulsar .

Encoprese não retentiva

Neste tipo de encoprese sem constipação ou incontinência devido a transbordamento não há retenção excessivamente prolongada , não ter uma constipação grave. As fezes do menor são normais.

Causas possíveis (etiologia)

Com o tempo, as possíveis causas desse distúrbio foram exploradas, descobrindo que as principais causas da encoprese infantil são psicológicas. Porém, existem fatores orgânicos que podem influenciar em sua presença, como a tendência à constipação.

Quando a encoprese é primária, considera-se que pode ser devido ao fato de a criança não ter conseguido chegar a um aprendizado incorreto do controle dos esfíncteres, e o menor não consegue reconhecer os sinais que avisam da necessidade de defecar.

No caso de encoprese secundária, a principal etiologia é a existência de algum tipo de sensação que faz com que o menor retenha as fezes ou perca o controle sobre elas. Medo e ansiedade Estas são algumas das emoções que podem provocar essa perda de controle.Viver em situações de conflito, com violência intrafamiliar ou em condições precárias pode fazer com que algumas crianças reajam sofrendo desse transtorno.

Outro aspecto muito ligado tem a ver com o tipo de educação que é dado ao menino ou menina O excesso de confiança por parte dos pais que fornecem uma educação muito rígida pode gerar medo de fracasso e punição que pode resultar em perda de controle, ou no caso de uma educação excessivamente permissiva ou ambivalente que cause insegurança ou medo de enfrentar o mundo exterior. Nos casos em que a defecação em locais inadequados é voluntária, podemos enfrentar uma demonstração de rebeldia por parte do menor.

  • Talvez você esteja interessado: "Child Stress: algumas dicas básicas para pais em perigo"

Tratamento

O tratamento da encoprese geralmente incorpora uma metodologia multidisciplinar, incorporando aspectos psicológicos, médicos e nutricionais .

No que se refere ao tratamento psicológico, este enfocará a realização de um treinamento em hábitos de defecação isso será aprimorado através do uso de reforços positivos. Primeiro, deve ser avaliado se existe uma razão emocional por trás da defecação e / ou retenção de fezes e, se positivo, eles devem ser tratados pelos meios apropriados. Por exemplo, dessensibilização sistemática ou relaxamento em casos de ansiedade.

Quanto ao processo defecatório em si, a criança será ensinada primeiro a identificar os sinais de alerta da necessidade de evacuar, para posteriormente moldar e modelar a prática de hábitos apropriados para que a criança seja cada vez mais autônomo

Em todos os momentos, a aquisição de comportamentos será reforçada, usando técnicas como a economia de chips, antes e durante e após a defecação (quando a criança vai ao banheiro, evacua no banheiro e fica limpa). Ocasionalmente punição também tem sido usada como parte do processo, como fazê-lo limpar roupas sujas, mas é fundamental não causar culpa ou diminuir a auto-estima da criança.

Intervenção nutricional e médica

Quanto aos aspectos nutricionais e médicos, independentemente de a incontinência não ser devida a causas orgânicas Drogas que ajudam na evacuação podem ser prescritas em situações específicas ou enemas que permitem amolecer as fezes em caso de constipação. Na verdade, o médico e o psicólogo devem orientar o uso de laxantes durante o treinamento em hábitos defecatórios.

Também é aconselhável fornecer a criança uma dieta equilibrada rica em fibras que ajuda a criança a realizar suas evacuações de forma normativa, junto com uma hidratação abundante.

Referências bibliográficas:

  • Associação Americana de Psiquiatria. (2013). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Quinta edição. DSM-V. Masson, Barcelona.
  • Ladrão, A. (2012). Psicologia Clínica Infantil. CEDE Preparation Manual PIR, 03. CEDE: Madrid.

Incontinência Fecal: Marcieli Schuster fala sobre o assunto (Fevereiro 2023).


Artigos Relacionados