yes, therapy helps!
Hipofobia (medo de cavalos): sintomas, causas e tratamento

Hipofobia (medo de cavalos): sintomas, causas e tratamento

Junho 12, 2024

O cavalo tem sido durante séculos um símbolo de nobreza, força e lealdade. Ao longo da história e até a invenção e popularização do automóvel, esses animais acompanharam o homem em quase todos os seus movimentos.

Os cavalos foram desde os tempos antigos até hoje altamente valorizados, admirados e amados pela grande maioria das pessoas, levando até mesmo aos sonhos de muitas crianças. Mas para algumas pessoas, ver ou encontrar um cavalo pode ser motivo de grande desconforto e pânico. Isto é o que acontece com pessoas que sofrem de hipofobia , um transtorno de ansiedade relacionado a esse tipo de animal.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

O que é hipofobia?

A hipofobia é chamada medo ou pânico extremo e exagerado produzido pela presença de cavalos . Esse medo pode aparecer na presença dos próprios eqüinos ou na expectativa de que eles apareçam, embora possa também aparecer (embora geralmente em menor extensão) antes das representações dessas criaturas.


É uma fobia específica que se refere aos animais, o que significa a existência por pelo menos seis meses de um medo ou pânico exagerado e excessivo em relação ao possível perigo que o estímulo em questão poderia implicar. A pessoa que sofre tende a evitar, ou a suportar com um nível muito alto de ansiedade, o contato com essas criaturas. Anteriormente, considerava-se que a pessoa em si é geralmente consciente de que sua reação é exagerada pelo perigo real envolvido, mas no momento não requer tal reconhecimento para diagnosticá-lo.

A visão ou a mera idéia da proximidade de um cavalo pode causar em uma pessoa com hipofobia o surgimento de um nível muito alto de ansiedade que de fato pode levar a uma crise de angústia. Suor, tremores, dor de cabeça, náuseas e vômitos são alguns dos sintomas fisiológicos mais freqüentes, além de taquicardia e hiperventilação.


Dado que em nossa vida diária não é habitual encontrar cavalos, por via de regra esta fobia normalmente não causa uma grande interferência na vida diária do sofredor. No entanto, o medo também pode ser desencadeado em situações associadas à presença de cavalos ou em que aparecem representações dessas criaturas, evitando, por exemplo, carrosséis, parques de diversão ou feiras em que tais representações possam aparecer ou mesmo animais reais.

  • Talvez você esteja interessado: "Tipos de Transtornos de Ansiedade e suas características"

Causas desta fobia

Como outras fobias, as causas da hipofobia são amplamente desconhecidas. Porém, existem hipóteses diferentes sobre sua aparência .

A principal hipótese a esse respeito é aquela que propõe que o medo dos cavalos seja adquirido, aprendido com a experiência. É comum pessoas que sofreram acidentes, seja chutes ou quedas. Também pode ser aprendido vicariamente porque alguém do meio ambiente sofreu acidentes relacionados a esses seres ou visualizou ou leu casos de acidentes relacionados a cavalos.


Outra das hipóteses mais comuns é aquela que apresenta a fobia a certos estímulos, como algo parcialmente herdado filogeneticamente pelos genes, uma reação natural que permite ao ser humano escapar de uma estimulação perigosa. Embora cavalos sejam herbívoros que não nos caçam e não representariam uma ameaça a princípio, eles são animais de grande poder e tamanho: o chute de um cavalo tem o potencial de ser mortal, e uma debandada desses seres. Pode facilmente levar à morte de uma pessoa.

Tratamento do medo de cavalos

Tal como no resto das fobias, um dos principais e mais eficazes tratamentos a aplicar para o tratamento da hipofobia é terapia de exposição . Esta terapia baseia-se principalmente em expor o sujeito ao estímulo temido sem usar técnicas de prevenção até que a ansiedade e o pânico causados ​​pelo elemento fóbico diminuam até se tornarem praticamente imperceptíveis.

Geralmente é realizado de maneira graduada: seria fazer uma hierarquia de estímulos fóbicos , com diferentes itens ou estímulos que geram pânico classificados de acordo com o nível de ansiedade que isso envolve, para gradualmente expor o sujeito a esses estímulos de forma gradual. Por exemplo, no caso em questão, pode começar com a exposição a imagens de equinos para aumentar gradualmente a complexidade e o nível de exposição, como visitar e andar de carrossel, exposição à visão de um eqüinos vivem e se aproximam pouco a pouco, talvez ao ponto de tocar ou até mesmo andar sobre o animal.

A longo prazo, você pode até considerar visitar estábulos ou até mesmo praticar equoterapia.No entanto, este é um exemplo: os itens que devem ser discutidos devem ser negociados entre o paciente e o terapeuta dependendo do que o paciente assume a ansiedade (algo que pode variar muito dependendo do paciente, mesmo que o estímulo fóbico seja o mesmo) e o que ele está disposto a fazer.

Além da exposição, A reestruturação cognitiva pode ser muito útil no combate às crenças distorcidas e mal-adaptativo, como por exemplo uma possível visão que se aproxima de um cavalo fará com que seja hostil, que sejam agressivos, que o sujeito seja incapaz de lidar com seu pânico ou que seja mais provável que ele caia. um cavalo se conseguir montar.

O uso de técnicas de relaxamento pode ser útil em face do surgimento de ansiedade, seja para se preparar para uma possível exposição, seja para reduzir a tensão interna associada ao seu pânico.


YouTubers Vs Tripofobia. Enfrentan su peor miedo (Junho 2024).


Artigos Relacionados