yes, therapy helps!
Dopamina: 7 funções essenciais deste neurotransmissor

Dopamina: 7 funções essenciais deste neurotransmissor

Novembro 28, 2021

O dopamina É um dos muitos neurotransmissores que os neurônios usam para se comunicar uns com os outros. Isso significa que a dopamina tem uma função muito importante nos espaços sinápticos, isto é, os espaços microscópicos em que as células nervosas estabelecem conexões entre si.

É uma substância produzida pelo próprio corpo humano, mas também pode ser produzida em laboratórios. Em particular, a dopamina foi artificialmente sintetizada pelos biólogos ingleses George Barger e James Ewens em 1910. Décadas mais tarde, em 1952, os cientistas suecos Arvid Carlsson e Nils-Åke Hillarp conseguiram desvendar as funções e principais características desse neurotransmissor.


Dopamina: o neurotransmissor do prazer ... entre outras coisas

Dopamina, cuja fórmula química é C6H3 (OH) 2-CH2-CH2-NH2, é frequentemente mencionado como a causa de sensações prazerosas e a sensação de relaxamento. Entretanto, com a dopamina e o restante dos neurotransmissores, acontece algo que impede que essas situações sejam relacionadas a uma função muito específica: elas influenciam em maior ou menor extensão todo o funcionamento do cérebro em geral, em todos os aspectos emocionais, cognitivos e sinais vitais que são realizados naquele momento.

Isso significa que quando a dopamina ou qualquer outro neurotransmissor está ligado a estados emocionais ou processos mentais concretos, isso ocorre porque a aparência do último está relacionada a um aumento no nível de certos neurotransmissores em algumas áreas do cérebro ligadas a esse estado ou processo em questão.


No caso da dopamina, entre as suas funções também encontramos a coordenação de certos movimentos musculares, a regulação da memória, os processos cognitivos associados à aprendizagem e até mesmo tem sido visto como tendo um papel importante na tomada de decisão.

A comunidade científica concorda em apontar que a dopamina também está envolvido no complexo sistema cognitivo que nos permite sentir-se motivado e curiosidade sobre alguns aspectos da vida.

1. Dopamina e sua personalidade

Mas Este neurotransmissor tem algo a ver com a personalidade de cada indivíduo? Bem, parece que sim. A dopamina pode ser um dos fatores a considerar quando se trata de saber se uma pessoa é mais introvertida ou mais extrovertida, mais covarde ou mais corajosa, ou mais segura ou insegura.


Várias investigações apoiam essa relação entre dopamina e personalidade. Por exemplo, um estudo realizado na Clínica Universitária Charité, na Alemanha, publicado em Neurociência da natureza Ele ressaltou que a quantidade de dopamina encontrada na amígdala cerebral pode ser um indicador confiável de calma e calma, de boa autoconfiança, ou de medo e tendência ao estresse.

2. Excesso de peso e obesidade

Caso você não tenha notado, nem todas as pessoas sentem o mesmo nível de prazer quando, por exemplo, experimentam um apetitoso bolo de chocolate.

Curiosamente, as pessoas com tendência ao sobrepeso e obesidade têm menos receptores de dopamina no sistema nervoso e, como resultado, eles precisam comer mais do bolo para notar a mesma satisfação que produz o ato de comer algo doce. Digamos que você seja menos sensível aos sabores que causam dependência. Esta é a conclusão a que chegaram pesquisadores ingleses, graças a um estudo publicado na revista Science.

3. O gosto por emoções fortes

Você é uma daquelas pessoas que gostam de correr riscos? Você se jogaria de pára-quedas? Responder a essas questões também pode ter a ver com a sua idade, mas há um novo elemento que, da neurociência, foi detectado como um fator importante na previsão dessa propensão a desfrutar de riscos e emoções fortes.

Uma investigação da University of British Columbia liderada por Stan Floresco e publicada em Diariamente Médico no ano de 2014 relatou que A maior presença de dopamina em certas regiões do cérebro em adolescentes os tornou otimistas demais com suas expectativas e assumiram riscos muito altos .

4. Status social e satisfação

Usando diferentes técnicas de neuroimagem, um estudo descobriu que quanto melhor o status social de um indivíduo, maior o número de receptores de dopamina D2 localizados em seu cérebro.

Isso faz com que eles se sintam mais satisfeitos com sua vida e, portanto, ajam de acordo; Os objetivos de uma pessoa com boa auto-imagem não são os mesmos de uma pessoa mais pessimista neste aspecto .

5. Chave para a criatividade

Várias investigações publicadas na PLoS descobriram que pessoas com uma mente particularmente criativaEles têm uma menor densidade de receptores de dopamina D2 em uma região cerebral particular: o tálamo.

Esta parte do cérebro tem como principal função filtrar os estímulos que o córtex cerebral recebe. Isso facilitaria as conexões neurais que nos permitem associar conceitos de maneira mais eficiente, melhorando a criatividade.

6. Também regula a memória

A memória também é uma função cerebral que também é influenciada pela dopamina. Em concreto, A dopamina é responsável por regular a duração da informação (memórias) , decidindo se retém essas informações por apenas 12 horas e desaparece, ou se mantém as informações por mais tempo.

Esse processo de "decisão" pelo qual uma memória se difunde ou permanece em nosso cérebro está intimamente relacionado ao conceito de aprendizagem significativa. Quando aprendemos algo que nos satisfaz, a dopamina ativa o hipocampo para reter essa informação. Caso contrário, a dopamina não ativa o hipocampo e a memória não é armazenada em nossa memória.

7. Níveis de poder de motivação

É comum falar sobre a dopamina como o neurotransmissor responsável pela sensação de prazer, mas as últimas descobertas mostram que sua principal função poderia ser a motivação.

Por exemplo, um estudo relatou que a ligação entre motivação e dopamina é verdadeira, mostrou que as pessoas mais focadas em atingir certos objetivos exigentes eram aquelas que tinham mais dopamina no córtex pré-frontal e em seu corpo estriado.

Referências bibliográficas:

  • Delgado J.M. Ferrús A.; Mora F e Rubia F.J. (Eds.) (1997). Manual de Neurociência. Madri: síntese.
  • Kalat, J.W. (2004). Psicologia Biológica Thomsomparaninfo.
  • Mazziota et al. (2000). Mapeamento cerebral: os distúrbios. Nova York: Academic Press.
  • Streit, W.J. e Kincaid-Colton, CA. (1996). O sistema imunológico do cérebro. Pesquisa e Ciência Janeiro 16-21.



Nutriente Para Turbinar o Cérebro Dr Lair Ribeiro (Novembro 2021).


Artigos Relacionados