yes, therapy helps!
Batofobia: (medo da profundidade): sintomas, causas, diagnóstico e tratamento

Batofobia: (medo da profundidade): sintomas, causas, diagnóstico e tratamento

Janeiro 27, 2023

Você é completamente incapaz de tomar banho em águas profundas? Você sente grande angústia apenas com a idéia de colocar seus pés em um poço profundo? Embora essas reações geralmente sejam completamente normais na maioria dos casos, elas descrevem perfeitamente como uma pessoa com batofobia se sente.

Ao longo deste artigo vamos falar sobre esse transtorno de ansiedade conhecido como batofobia . Descreveremos seus sintomas, suas causas e quais são as técnicas e intervenções profissionais para tratá-lo.

  • Artigo relacionado: "Tipos de fobias: explorando os distúrbios do medo"

O que é a batofobia?

Como o resto das fobias, a batofobia é um transtorno de ansiedade em que a pessoa experimenta um intenso terror nas profundezas ou naquelas situações em que você não consegue ver a parte inferior do seu corpo por causa da profundidade ou escuridão.


Aqueles espaços ou situações em que a pessoa pode experimentar este medo podem ser piscinas, o mar, o fundo de um poço, etc. Quer dizer, espaços que transmitem uma sensação de profundidade .

É necessário especificar que o medo ou medo de espaços profundos é completamente habitual, natural e cumpre uma função adaptativa. Então, uma pessoa que sofre com esse tipo de preocupação nem sempre tem que sofrer uma fobia. No entanto, nos casos em que a pessoa experimenta uma ansiedade incapacitante, que não pode ser controlada e que não tem base racional ; sim, seria considerado como batofobia.

  • Talvez você esteja interessado: "Tipos de Transtornos de Ansiedade e suas características"

Quais sintomas a batofobia apresenta?

Como discutido acima, a batofobia é classificada em transtornos de ansiedade, Exposição à situação ou estímulo fóbico irá desencadear uma resposta extrema ansiedade .


Como o resto das fobias, os sintomas são divididos em três grupos: sintomas físicos, sintomas cognitivos e sintomas comportamentais. No entanto, embora a maioria das pessoas tenha os mesmos sintomas, essa fobia apresenta uma grande variabilidade entre as pessoas.

Os principais sintomas incluem aqueles que veremos abaixo.

Sintomas físicos

  • Aceleração do ritmo cardíaco .
  • Aumento na taxa de respiração
  • Hiperidrose
  • Pressão arterial alta.
  • Alto tônus ​​muscular.
  • Náusea e vômito .
  • Dor de estomago.
  • Calafrios
  • Sensação de asfixia .

Sintomas cognitivos

  • Pensamentos catastróficos.
  • Sensação de falta de controle .

Sintomas comportamentais

  • Comportamentos de fuga
  • Comportamento de evitação

Geralmente, os sintomas desaparecem quando o estímulo fóbico desaparece. Não obstante, isso vai depender da intensidade com que a pessoa viva experimenta a batofobia , pois em alguns casos o nível de ansiedade só aumenta quando se pensa nesses locais de grande profundidade.


O que causa a batofobia?

Não existe uma maneira completamente confiável de determinar a origem de uma fobia. Na maioria dos casos, uma predisposição genética ligada a uma experiência traumática ou com uma alta carga emocional Isso acaba causando uma fobia a alguns dos elementos que cercaram a experiência.

Por exemplo, uma pessoa que sofreu um naufrágio ou uma experiência traumática em algum lugar profundo está suscetível a desenvolver uma batofobia. No entanto, nem sempre tem que ser assim, uma vez que existem muitos fatores, como a personalidade ou mesmo o meio ambiente, que facilitam a aparição disso.

Como esta fobia é diagnosticada?

Na maioria dos casos, a batofobia continua sem diagnóstico, uma vez que as pessoas que sofrem geralmente não costumam se deparar com essas situações, de modo que a fobia não interfere muito na vida cotidiana.

No entanto, nos casos em que a pessoa que sofre de fotofobia tem que enfrentar essas situações, é necessário fazer uma avaliação adequada que atenda aos critérios diagnósticos estabelecidos.

Dado o grande número de fobias que existem atualmente, não foi possível estabelecer um protocolo de diagnóstico específico para cada uma delas. Não obstante, há uma série de critérios diagnósticos comuns em todos esses transtornos de ansiedade específicos .

Quando o profissional está pronto para avaliar o paciente deve levar em consideração os seguintes aspectos do diagnóstico:

  • Sensação de medo e resposta de ansiedade imediata antes do aparecimento do estímulo fóbico. Neste caso, as profundidades.
  • A pessoa realiza comportamentos de fuga ou evitação quando confrontada com o estímulo ou situação temida.
  • A experimentação do medo é avaliada como desproporcionada, tendo em conta o perigo real.
  • O medo aparece por mais de seis meses cada vez que a pessoa é exposta.
  • Os sintomas e consequências destes geram desconforto clinicamente significativo.
  • A fobia e seus sintomas interferem na vida do paciente.
  • Os sintomas não podem ser melhor explicados por qualquer outra doença ou transtorno mental.

Existe um tratamento?

Com um diagnóstico e tratamento adequados, tanto a batofobia como qualquer outro tipo de transtorno de ansiedade podem remitir quase completamente.

Geralmente, o tratamento de escolha para ajudar pessoas com esses tipos de transtornos baseia-se na intervenção através da psicoterapia, sempre pela mão de um profissional em psicologia .

Dentro dessas psicoterapias, o tratamento cognitivo-comportamental é o que mais se destacou por apresentar maior eficiência e rapidez no momento da remissão dos sintomas. No entanto, há uma grande quantidade de intervenções e terapias que, realizadas corretamente e sempre pela mão de um especialista , também pode oferecer resultados satisfatórios.

Dentro do tratamento com terapia comportamental cognitiva, as seguintes ações podem ser realizadas.

1. exposição ao vivo

A evitação realizada por pessoas com batofobia, ou com qualquer tipo de transtorno de ansiedade, é a primeira razão pela qual é mantida ao longo do tempo. Portanto, através da exposição ao vivo, o paciente é confrontado com a situação temida ou ao estímulo fóbico.

No entanto, é necessário que esta exposição seja sempre realizada por um profissional.

  • Artigo relacionado: "Intervenção em fobias: a técnica da exposição"

2. dessensibilização sistemática

Quando a resposta de ansiedade é tão extrema que uma exposição ao vivo não pode ser feita, uma intervenção será realizada por dessensibilização sistemática. Com esta técnica que o paciente é gradualmente exposto ao estímulo fóbico .

3. Técnicas de relaxamento

É essencial que tanto a intervenção por exposição ao vivo como a dessensibilização sistemática sejam acompanhadas de um treinamento em técnicas de relaxamento que reduz o estado de alerta do paciente e facilitar sua abordagem ao estímulo temido.

  • Artigo relacionado: "6 técnicas fáceis de relaxamento para combater o estresse"

4. Terapia cognitiva

Como um componente essencial das fobias são os pensamentos distorcidos que existem sobre o estímulo fóbico, o uso de terapia cognitiva que ajuda a eliminá-los é essencial .

Artigos Relacionados